Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

No Jabaquara, Rota mata 14º suspeito do ano em nova troca de tiros

A corporação diz que a dupla tentava levar a moto de um entregador na frente da pizzaria onde ele trabalha, na Rua Juan de la Cruz, por volta das 23h30

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

29 de março de 2015 | 19h21

A Rota (grupo de elite da PM) matou um suspeito de roubo e feriu seu comparsa durante suposta troca de tiros ocorrida no Jabaquara, na noite de sábado, na zona sul de São Paulo. A corporação diz que a dupla tentava levar a moto de um entregador na frente da pizzaria onde ele trabalha, na Rua Juan de la Cruz, por volta das 23h30. 

Foi a 14ª vítima morta pela Rota nestes três primeiros meses do ano em supostos tiroteios - média de 4,3 mortos por mês. Na noite de sábado a corporação diz, como nos outros casos deste ano, que os suspeitos atiraram antes. Houve revide e um dos ladrões foi ferido. Ele foi encaminhado ao Hospital Saboia, mas morreu quando dava entrada no pronto-socorro. Sem ferimentos, o entregador de pizza conseguiu recuperar sua moto. O caso foi registrado no 35 DP (Jabaquara).

Além dos 13 suspeitos de crimes mortos em supostos confrontos, um empresário e uma garçonete foram mortos durante perseguição da Rota a criminosos. No dia 27 de fevereiro, quatro integrantes da corporação perseguiam ladrões no Morumbi, na zona sul, quando um empresário em um Jaguar foi atingido por um tiro de fuzil, disparado pelos ladrões - na fuga, eles haviam tentado roubar o empresário. Um tenente da Rota também ficou ferido com um tiro no rosto na troca de tiros e um suspeito foi morto.

Antes, no dia 9 de fevereiro, a garçonete Marinalva da Silva Sousa Oliveira, 39, voltava do trabalho, na garupa de uma motocicleta, quando um dos disparos feitos no tiroteio entre a Rota e ladrões fugindo na região do Campo Limpo, na zona sul, acertou seu peito. A bala também atingiu de raspão a amiga, que conduzia o veículo. Dois policiais ficaram feridos e um suspeito morreu na ocasião.

Segundo a Ouvidoria da Polícia, a Rota é o agrupamento da PM que mais matou suspeitos nos três primeiros meses deste ano. Somente em janeiro e fevereiro, 118 pessoas foram mortas em confrontos com as polícias Civil e Militar do Estado, em 27 diferentes cidades paulistas - média de duas mortes por dia.

Mais conteúdo sobre:
rotamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.