Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

No interior, PMs tentam perder uma tonelada

Estudo mostra que 18% da tropa está obesa e polícia inicia programa de exercícios e dieta

Chico Siqueira, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2011 | 00h00

ESPECIAL PARA O ESTADO

ARAÇATUBA

Preocupados com o resultado de uma pesquisa que constatou que 68% do efetivo está acima do peso, policiais do 9.º Batalhão da Polícia Militar de Marília, a 444 quilômetros de São Paulo, iniciaram na sexta-feira um desafio: prometem perder, em um mês, uma tonelada de gordura.

A ideia é fazer os 750 homens do batalhão perderem peso praticando exercícios e se alimentando corretamente. Segundo o major Flávio Pádua Godoi, subcomandante do 9.º Batalhão, a iniciativa foi motivada pelo estudo de três médicos da Faculdade de Medicina de Marília, entre eles dois oficiais da PM. Eles constataram que 50% dos policiais estão com sobrepeso e 18% têm algum grau de obesidade.

A pesquisa Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares na Polícia Militar revela ainda que 62% dos PMs com menos de 35 anos estão acima do peso. Nos PMs com mais de 35 anos, esse índice é de 72%. Publicado internacionalmente em 2010, o estudo analisou 912 homens de 23 a 56 anos em 2006. Segundo Godoi, a única melhora posterior foi a redução do cigarro - taxa de fumantes caiu de 13% para quase zero. "Só temos um homem que fuma hoje", diz, ressaltando que a redução foi obtida graças à lei antifumo.

Para encararem o desafio de perder uma tonelada de gordura, todos os PMs foram para a balança, tiveram o Índice de Massa Corporal (IMC) medido e fizeram exames de sangue e complementares. "Depois de passarem pelos médicos, eles receberam cartilhas com explicações sobre quais remédios devem tomar, os exercícios necessários, a alimentação adequada e mudanças nos hábitos de vida."

A expectativa é que, em média, cada PM perca 1,2 kg nos 30 dias de desafio. Mas o soldado Elói Torres quer ir além. "Espero perder 10 kg", diz ele, que está 17 acima do peso e descobriu ter hipertensão e obesidade. "A correria do dia a dia não me deixou perceber que estava levando errado a vida. Já cheguei a pesar 102 kg e estou com 97. Vou emagrecer muito mais. Com esse desafio, a gente não luta sozinho." Além de melhorar a alimentação, Torres passou a fazer exercícios depois de levar a filha à escola, às 7h, e antes de entrar no trabalho, às 8h45.

"Apesar de ser uma preocupação individual, é muito bom saber que a PM se preocupa com o bem-estar de seus homens. Minha vida está começando a mudar", diz o primeiro-tenente Fabiano Mendonça, casado com uma nutricionista. "Agora vamos alterar nosso hábito em casa, pois, embora minha mulher seja nutricionista, nem sempre optamos pela alimentação saudável", confessa. Sua intenção é perder pelo menos dois quilos. Hoje, tem 106 - o ideal são 95.

Açúcar. O Programa de Redução de Peso e Melhoria de Qualidade de Vida da PM de Marília extinguiu o uso de açúcar, sucos industrializados e refrigerantes no batalhão. Além disso, foi reformado o Núcleo de Atividades Desportivas e instituída a Tarde em Ação, projeto em que PMs praticam exercícios físicos no quartel dois dias por semana. Ao mesmo tempo, o comando do batalhão organiza palestras com nutricionistas e médicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.