No Facebook, ninguém é normal

Por mais que a empresa responsável pelo Facebook prometa para os próximos dias mudanças na mecânica de controle da exposição pública de informações pessoais na web, boa parte dos 400 milhões de usuários do negócio não está nem aí para esse tipo de cuidado. Muito pelo contrário, tem gente que foi atraída para o Facebook justamente pela sua vocação de ferramenta de evasão de privacidade.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2010 | 00h00

Quando intimidade vira sinônimo de conteúdo, rola uma certa compulsão pela confissão nas informações compartilhadas. Agora mesmo, virou notícia nos EUA o caso do soldado americano que está sendo investigado por causa do vídeo que postou na rede social exibindo entrevista com um garoto iraquiano realizada para quebrar o tédio da guerra. Ele pergunta: "Você é gay? Vai ser terrorista quando crescer?" Sem entender o idioma, o moleque faz sinal de positivo com o polegar para a câmera, dando a deixa para a conclusão: "É um futuro gay terrorista!"

Mais cedo ou mais tarde, imagino, todo mundo vai acabar pagando, no mínimo, pena de serviços comunitários pelas coisas que conta e mostra "de brincadeira" no próprio perfil eletrônico. Afinal, se - como dizia Caetano antes de inventarem a internet - "de perto ninguém é normal", imagina no Facebook.

É cara do gajo, pá!

O que Aécio Neves mais gostou na Europa foi ser confundido a toda hora nas ruas com José Mourinho (foto), o técnico português que virou sensação na Liga dos Campeões e está trocando a Inter de Milão pelo Real Madrid. Parece mesmo, né?!

Imperdível

Em busca da audiência perdida no horário, a TV Globo pediu a Tony

Ramos que se depile para cenas de sexo com Mariana Ximenez em Passione.

FHCambalhotas

No encontro da seleção com Lula

no Palácio da Alvorada, ficou combinado que, a se confirmar o hexa, ninguém dará cambalhotas na rampa do Palácio do Planalto quando voltar da África do Sul. O presidente considera o gesto, consagrado por Vampeta em 2002, uma marca do

governo FHC. Piadinha infame Hillary Clinton ganhou apelido na Casa Branca: Dalila. Só pensa em sanção!

Obelisco de fora

Maradona promete "ficar nu no obelisco" se a Argentina ganhar a Copa. Se perder, o povo se encarregará disso. Pelo menos é o que se comenta em torno do citado monumento da Avenida Nove de Julho, em Buenos Aires.

UPP da Jamaica

Se está sem tempo para tentar um acordo na Jamaica - o que é absolutamente compreensível -, Lula bem que podia mandar o Sérgio Cabral implantar Unidades de Polícia Pacificadora nas favelas de Kingston. Só se fala disso no Rio!

Já pensou?

Imagine só se a British Petroleum fosse uma empresa iraniana de prospecção! Que tipo de sanções a ela se aplicaria pelo vazamento no Golfo do México, que ontem completou 35 dias de plena atividade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.