No extremo sul, búfalo vira animal de estimação

Doze vacas pastam no sítio de Neomar Jardim, o Bahia, de 35 anos. Ele mora perto da Avenida Teotônio Vilela, na região de Parelheiros, na zona sul de São Paulo, e ganha a vida vendendo leite e queijo tirado de sua manada e feito na sua propriedade. Mas quem se destaca no meio do gado é um búfalo, chamado de Passo Preto.

TIAGO QUEIROZ, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2013 | 02h02

Quando, anos atrás, Bahia trocou a cidade baiana de Ibicuí, entre Ilhéus e Vitória da Conquista, pela capital paulista, não ganhou só o apelido. Começou a ganhar a vida com a nada urbana profissão de domador de cavalos, bem na cidade de São Paulo. "Ensinava o bicho a sentar, a cumprimentar, a deitar...", lembra. "Mas o negócio começou a piorar e agora estou aqui com esse gadinho 'véio'".

Aí apareceu Passo Preto, uns dois anos atrás. "Comprei de um sitiante de Embu-Guaçu (município da Região Metropolitana de São Paulo)." Mas qual a função econômica do bicho?

Nenhuma. Com o búfalo Passo Preto, Bahia não ganha dinheiro. E ele muito menos pretende um dia aproveitar sua carne. O búfalo se tornou um mascote, uma espécie de animal de estimação para fazer a alegria de Neomar e seus dois filhos, Denilson e Martinho. Muito manso, Passo Preto brinca, faz festa, interage. É a alegria da família de sitiantes paulistanos, na lida diária de tirar leite, fazer queijo e vender de porta em porta na vizinhança de Parelheiros.

Com a aptidão adquirida nos tempos de domador de cavalos, Bahia não teve dificuldades em adestrar o búfalo de estimação. "O jeito manso dele ajudou bastante", conta. / COLABOROU EDISON VEIGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.