No Estado, projetos são revistos ou têm falhas

Das cinco principais obras da Secretaria de Estado da Cultura, três estão atrasadas em relação às expectativas da pasta, quando as propostas foram lançadas.

, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2010 | 00h00

Com início previsto para setembro de 2009, até hoje não há projeto, por exemplo, para a Escola de Circo do Estado de São Paulo, no Parque Belém, zona leste da capital. "Com o lançamento da Circo Escola Piolim, da Prefeitura, tivemos de reconsiderar o projeto, para que um equipamento não tenha a mesma proposta que o outro", justificou o secretário da Cultura, Andrea Matarazzo, que assumiu a pasta em maio. No local, seria construída uma tenda colorida de 30 metros. Com a revisão, não há prazo para início de obras.

Outro equipamento atrasado em relação aos anúncios da secretaria é o Museu da História de São Paulo, no Brás, região central. As obras, previstas para começarem em abril de 2009, só tiveram início em fevereiro deste ano, por problemas no projeto apresentado ao Departamento do Patrimônio Histórico da Prefeitura. O Museu de Arte Contemporânea (MAC), no antigo Detran, é outra obra que demorou a engrenar - com término previsto para dezembro de 2009, o novo prazo é dezembro deste ano. "O governo anuncia as expectativas, mas, em obras de vulto como essas, qualquer questionamento em relação à licitação, por exemplo, ou relativo ao patrimônio, acaba atrasando os prazos", disse o secretário estadual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.