No Estado, 5 mil lojas atuam livremente

Das cerca de 12 mil lojas de autopeças no Brasil, 5 mil estão no Estado de São Paulo. Mas boa parte do mercado que movimentou cerca de R$ 8 bilhões em 2011 atua praticamente sem controle. Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Comando de Policiamento de Trânsito da Capital (CPTran), Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran) e Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) afirmaram não ter responsabilidade de monitorar a venda dos produtos. O mercado é livre.

O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2012 | 03h01

"Pelo que sei, não há ninguém que faça especificamente esse trabalho de ir a cada loja verificar o que é vendido", diz Eduardo Bernasconi, presidente da Associação Brasileira de Acessórios Automotivos (Abaa), criada há cerca de um ano e, por enquanto, com apenas 12 filiadas.

Antes da entidade, porém, o limbo era maior. "Nesses anos todos sem organização, muitas pequenas empresas foram criadas sem controle. Nossa proposta é reorganizar o mercado."

O único órgão que faz inspeções nas ruas é o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem). Mas o controle recai sobre produtos, não lojas. "A grande maioria dos itens comercializados não tem certificação técnica. Precisamos de regras para conseguir ir a campo", diz Valmir Ditomaso, diretor do Departamento de Metrologia e Qualidade do órgão.

Hoje, poucos acessórios estão na mira do Ipem, como engates e cadeira de bebês. Os demais, incluindo rebaixamento e película escura, só deverão ser certificados no futuro. Já o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) informou que trabalha nos projetos de certificação solicitados, mas também não tem atribuição de fiscalizar lojas. / A.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.