No Dia Sem Carro, o trânsito de sempre

Poucos paulistanos aderiram à campanha mundial e deixaram o veículo na garagem; 19 jornalistas do 'Estado' aceitaram o desafio

Rodrigo Brancatelli, O Estado de S.Paulo

23 Setembro 2010 | 00h00

O Dia Mundial Sem Carro foi mais um dia como outro qualquer em São Paulo. Os índices de congestionamento se mantiveram basicamente no mesmo nível; no horário de pico da manhã, entre 7h e 10h, foram registrados 52,5 km de lentidão, ante 57,6 de média das últimas três quartas-feiras.

Sem contar a participação da sociedade civil, nem a Prefeitura leva a data muito a sério - a cidade não é considerada participante oficial do evento mundial, uma vez que o comitê internacional da campanha só dá chancela aos municípios que fazem bloqueio de carros em pelo menos uma via.

Ainda assim, a equipe do caderno Metrópole e outros jornalistas do Grupo Estado assumiram o compromisso de deixar o carro em casa ontem, na tentativa de entender se é possível mudar o comportamento das pessoas e a dinâmica dos deslocamentos. No total, foram mais de 100 km percorridos, enfrentando os mesmos problemas que 6 milhões de paulistanos são obrigados a conviver diariamente. Houve surpresas, claro, repórteres que perceberam que dá para andar a pé até o trabalho ou ir de bicicleta. Do outro lado, porém, houve também muitos atrasos, principalmente de quem confiou nos ônibus.

Das 19 pessoas que deixaram o carro em casa, apenas duas gostariam de repetir a experiência com mais frequência. O resultado da empreitada também já era esperado. Em São Paulo, deixar o carro em casa parece uma utopia. Razões não faltam - os ônibus são lentos, o metrô é lotado e restrito a algumas áreas, as calçadas são esburacadas. E, acima de tudo, há um vício do automóvel, difícil de reverter apenas com uma campanha educativa. Para mudar isso, há apenas uma equação - o transporte público precisa ser mais rápido e mais barato que o individual, além de dar um conforto mínimo ao usuário. O que ainda está longe de acontecer, mesmo que apenas em um dia do ano.

Relatos. Confira como foi o trajeto de todos os jornalistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.