Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

No centro de São Paulo, cenas de agressão no meio da rua

Fotógrafo do 'Estado' flagrou briga que envolveu ao menos cinco pessoas perto da Marechal Deodoro

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2011 | 03h04

SÃO PAULO - A violência urbana muitas vezes se esconde das estatísticas oficiais. Cenas de agressão gratuita à tarde, na região central da capital, sem registro na polícia ou identificação dos envolvidos foram flagradas ontem pelo repórter fotográfico do Estado Epitácio Pessoa.

Um homem aparentemente embriagado xingava clientes de um estacionamento na Rua Dr. Albuquerque Lins, perto da Estação Marechal Deodoro do Metrô, na região de Santa Cecília.

Ele foi arrastado até o estacionamento e ameaçado por pessoas que estavam por ali. Quando deixava o local, passou a ser agredido por outro homem. Tudo isso na esquina da Avenida General Olímpio da Silveira, continuação da Avenida São João, sob o Elevado Costa e Silva.

O agredido chegou a cair no chão, depois de levar vários socos no rosto. Inconformadas com a violência desproporcional, outras pessoas que estavam por perto começaram a bater no agressor do homem alcoolizado.

A confusão se alastrou e ganhou as calçadas, até a Praça Marechal Deodoro. Durante a fuga desesperada, o que antes era agressor continuou a apanhar. Foi agarrado por outros homens, virou o alvo da fúria popular. Tomou tapas, murros e pontapés de todos os lados.

Na correria, chegou a derrubar uma mulher que estava ao lado de um orelhão. Ele entrou na estação de metrô e desapareceu dos olhos do povo, enquanto o homem embriagado caminhava, sangrando, pelo meio da rua. A ação durou 5 minutos.

Questionada, a PM afirmou que não houve qualquer chamado para atender ocorrências envolvendo agressão na região da Estação Marechal Deodoro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.