No 7º dia de greve, guardas civis fazem manifestação em SP

Na sexta, TJ determinou fim imediato da greve, mas sindicado da categoria ainda pode recorrer da decisão

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

31 de agosto de 2009 | 07h44

A greve dos guardas civis metropolitanos de São Paulo entra no 7º dia nesta segunda-feira, 31. A categoria faz sua primeira paralisação e pede reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Na sexta, o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Roberto Antonio Vallim Bellocchi, determinou a imediata suspensão da grave dos GCMs.

 

Nesta segunda, os guardas civis fazem manifestação em frente à Prefeitura de São Paulo cobrando um diálogo com Gilberto Kassab (DEM). De acordo com o sindicato, o Prefeito se nega a discutir valorizações com a categoria.

 

Na terça está marcada uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho. Na audiência, marcada para às 13h30, pode haver um acordo que ponha fim à paralisação. Apesar da decisão do TJ, o sindicato da categoria, o SindGuardas, ainda pode recorrer da decisão que determina o fim imediato da greve.

 

Segundo o secretário de finanças do Sindicato, Clóvis Roberto, até a manhã desta segunda o SindGuardas não havia sido notificado da decisão. "Se caso recebermos essa notificação, faremos uma assembleia para decidirmos se continuamos a paralisação e pagamos a multa diária de R$ 100 mil ou voltamos ao trabalho", explica.

 

Gratificação

 

Os GCMs começaram a protestar após o prefeito Gilberto Kassab protocolar na Câmara Municipal, há duas semanas, um projeto de lei que criou gratificações de até R$ 1,8 mil para policiais militares que trabalham em operações no trânsito, como nas blitze da lei seca e na autuação de carros irregulares.

 

Os GCMs queriam a extensão da gratificação para a categoria, o que foi considerado inconstitucional pelo governo e pelo Legislativo.

 

Segundo o SindGuardas, a categoria está garantindo os 30% do efetivo trabalhando para a proteção das unidades, realiza manifestações ordeiras e pacíficas e com ampla divulgação pela mídia.

Tudo o que sabemos sobre:
greveGuarda Civil MetropolitanaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.