No 2º dia de greve do Metrô, SP tem 151 km de lentidão

Quase metade do congestionamento está na zona leste, região mais afetada pela paralisação dos metroviários

Solange Spigliatti, do Estadão.com.br,

03 de agosto de 2007 | 08h41

O trânsito na cidade de São Paulo na manhã desta sexta-feira, 3, segundo dia de greve dos metroviários, começou complicado, com alto índice de congestionamento. Às 9h37, foram registrados 151 km de lentidão em toda a cidade, índice muito acima da média para o horário, que é por volta de 80 km.    São Paulo enfrenta segundo dia de caos Veja o mapa e as linhas com trens parados  Como fica o transporte nesta sexta-feira   Como na última quinta-feira, o congestionamento foi causado pela greve dos metroviários e intensificado pela suspensão do rodízio municiapl de veículos. O pico desta sexta, porém, não superou o marco de 153 km registrados às 9h15 de quinta.   Do total de congestionamento, a maior parte deles concentrada nas zonas leste, onde estavam concentrados 45 km de ruas e avenidas monitoradas pela empresa, e na sul, com 35% do total do congestionamento. As regiões são as mais prejudicada com a greve, devido ao fechamento das estações do metrô das Linha 3-Vermelha (Palmeiras/Barra Funda - Corinthians/Itaquera) e da Linha 5-Lilás (Largo 13 de Maio/Capão Redondo).   Se estendendo por oito quilômetros, o pior ponto de lentidão é a Radial Leste, sentido centro, da rua Pires do Rio até a Rua Divinolândia.   Marginais   Os motoristas encontravam alguns dos piores trechos de morosidade também nas marginais do Tietê e do Pinheiros, onde a pista sentido Castelo Branco estava com 8,29 quilômetros de trânsito parado entre a rua Tucumã e a ponte João Dias. Havia lentidão também entre as pontes Ari Torres e Eusébio Matoso.   No sentido Interlagos da Marginal do Pinheiros, o trânsito lento foi verificado entre as pontes do Jaguaré e Cidade Universitária.   A Marginal do Tietê concentrava dois pontos de engarrafamentos nas pistas sentido Castelo Branco. Um deles, com quase 11 km, estava no trecho entre as pontes da Casa Verde e Aricanduva e outro entre as pontes da Vila Maria e Imigrante Nordestino, com quase sete quilômetros de lentidão.   Rodízio   A Prefeitura suspendeu pelo segundo dia consecutivo o rodízio municipal. Com isso, carros com placas final 9 e 0 podem circular no centro expandido em qualquer horário. Na quinta, 2, o rodízio também foi suspenso por conta da greve dos metroviários.   Ônibus   Além disso da greve dos metroviários e da suspensão do rodízio, motoristas e cobradores da viação Himalaia, que cobre a região leste da cidade, também paralisaram seus trabalhos, prejudicando ainda mais os usuários de transportes coletivos.   Rodovias   Os congestionamento em São Paulo também afeta o tráfego nas principais rodovias que cortam a acidade. A mais prejudicada era a rodovia Ayrton Senna, que estava com oito quilômetros de lentidão devido ao congestionamento na Marginal do Tietê.   Na rodovia presidente Dutra, havia lentidão de dois quilômetros nas pistas lateral e expressa, na altura do km 231, já na chegada à São Paulo. As rodovias que levam ao interior também apresentavam problemas. No sistema Anhanguera-Bandeirantes, a morosidade na chegada à Capital era de dois quilômetros na Bandeirantes e um na Anhangüera.   Já a rodovia castelo Branco também enfrentava lentidão na chegada à marginal do Tietê, com três quilômetros de trânsito parado.   Com Amanda Valeri e Milton F. Da Rocha Filho, da Agência Estado   Matéria ampliada às 10h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.