ALEX SILVA/Estadão
ALEX SILVA/Estadão

No 1º semestre de 2014, SP tem 37% a mais  de ônibus queimados que todo o ano passado

De janeiro a junho deste ano, criminosos atearam fogo em 89 coletivos, contra 65 ocorrências do tipo em todo o ano de 2013

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2014 | 10h46

SÃO PAULO - O número de ônibus incendiados no primeiro semestre de 2014 em São Paulo já é 37% maior que o total de ocorrências de todo o ano de 2013. Segundo balanço da São Paulo Transporte (SPTrans), até o dia 29 de junho, 89 coletivos foram incendiados e outros 491 foram depredados na capital paulista. Em 2013, houve 65 ocorrências de incêndio e 1.242 depredações.

Os dois últimos casos foram registrados na noite deste domingo, 29, na zona sul da cidade. Dois ônibus da empresa MobiBrasil foram incendiados no bairro de Cidade Ademar. Um deles na altura do número 3.092 da Avenida Yervant Kissajokian. Segundo a Polícia Militar, não houve feridos nem detidos. O caso foi registrado no 98º Distrito Policial (Jardim Miriam).

Na Região Metropolitana de São Paulo, de acordo com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU), 22 ônibus intermunicipais foram incendiados neste ano - quatro deles na capital. Em 2013, foram 17 coletivos incendiados.

As constantes ocorrências fizeram com que o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss) lançasse no final de abril a campanha "Ônibus queimado não leva a lugar nenhum". Desenvolvida em parceria com o Consórcio Metropolitano de Transportes (CMT) e a Federação das Cooperativas de Transporte do Estado de São Paulo (Fecootransp), a ação teve como objetivo conscientizar a população de que os usuários de ônibus são os principais prejudicados com os ônibus incendiados. A campanha também incentiva que, por meio do Dique Denúncia, 181, a população denuncie os criminosos que atacam os ônibus.

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloÔnibus incendiado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.