JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

No 1º dia útil, 35% dos voos atrasam

Transtornos se concentraram nos aeroportos de São Paulo, Brasília, Rio e Belo Horizonte; TAM foi a empresa com mais problemas

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2011 | 00h00

O primeiro dia útil do ano foi marcado por atrasos e cancelamentos nos aeroportos do País. Ontem, 35,3% dos 2.498 voos domésticos atrasaram e 3,7% (92) foram cancelados, causando transtornos a milhares de passageiros. A situação mais complicada ocorreu com a TAM, companhia que registrou atrasos em mais da metade dos voos programados.

Os familiares do médico Marcos Andrade, de 37 anos, sofreram com os atrasos. Ao sair de Florianópolis, enfrentaram atraso de uma hora e só decolaram às 10h50. Chegaram a tempo do voo de conexão para Salvador, onde moram, mas não decolaram porque a TAM já os havia remanejado. Tiveram de ficar no Aeroporto de Congonhas até as 20 horas para o próximo voo - que atrasou mais uma hora e meia. "O pior é que as empresas fazem como se nada tivesse acontecido", diz a mulher de Andrade, Luciana, de 35 anos.

O maior número de atrasos estava exatamente nos principais aeroportos de São Paulo, de Guarulhos e Congonhas, segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Às 22 horas, Congonhas registrava 105 atrasos, o que significa 43,9% do total de 239 voos programados. O aeroporto foi o que teve o maior número de cancelamentos no País, 22 (9,2%). Em Guarulhos, os atrasos atingiram 88 voos de 221 - 39,8% do total.

Situação também difícil nos aeroportos de Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro. No Tancredo Neves, na capital mineira, 51,1% dos voos atrasaram. No Distrito Federal, esse número era de 46,1%. No Santos Dumont, no Rio de Janeiro, foram 34,7% de atrasos e 84% de voos cancelados.

Os passageiros já haviam enfrentado longas esperas no terminal carioca no dia 1.º. Mais de 30% dos voos que sairiam do Santos Dumont foram cancelados no primeiro dia de 2011.

De acordo com a Infraero, não houve registro de falhas estruturais nos aeroportos que pudessem causar os transtornos. Somente dois aeroportos foram fechados ontem, ambos em Minas Gerais: o de Confins, entre 6 horas e 7 horas, e o de Uberlândia, das 7 horas às 8h55.

Empresas. Condições meteorológicas e também o grande número de passageiros do período de festas de fim de ano estavam entre as justificativas dadas pelas empresas para os problemas de ontem. A Webjet, que teve atrasos em 53 voos, de um total de 136 - o que significa 39% -, também citou as restrições meteorológicas em Confins (MG) como motivo para os transtornos. A empresa não havia cancelado nenhum voo até as 19 horas.

Com 23,7% de atrasos e 2,9% de cancelamentos, de um total de 793 decolagens, a Gol também citou as condições meteorológicas adversas como motivo.

A TAM registrou 57,4% de adiamentos - 476 dos 829 voos marcados. Trinta e um voos foram cancelados (4,4%). A companhia informou, por meio de nota, que "um conjunto de fatores dificultou a operação". A empresa alega que houve "interrupções pontuais" em alguns aeroportos por causa da meteorologia, o que teria prejudicado conexões.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que acompanhou as operações da TAM para apurar as causas dos atrasos registrados pela empresa. A agência ressalta que o número de cancelamentos no País esteve dentro da normalidade. As empresas afirmaram que deram assistência aos passageiros.

O primeiro dia útil de 2010 foi mais tranquilo. Dos 2.447 voos do dia, houve 24,9% de atrasos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.