Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Nível dos principais mananciais sobe e Cantareira vai a 15,3%

Sobre a região do principal reservatório, pluviometria foi de 9,6 mm; manancial já se aproxima da média histórica de chuvas em março

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2015 | 09h15

SÃO PAULO - As chuvas ajudaram a subir o nível de todos os seis principais mananciais responsáveis por abastecer a capital e a Grande São Paulo, segundo indica boletim da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado nesta terça-feira, 17.

O principal deles, o Sistema Cantareira registrou sua 11ª alta consecutiva, desta vez de 0,3 ponto porcentual, e chegou a 15,3% do volume armazenado de água. No dia anterior, esse índice era de 15%. Esse número considera duas cotas do volume morto: uma de 182,5 bilhões de litros e outra de 105 bilhões, adicionadas no ano passado.

Contrariando as previsões, as chuvas sobre a região do Cantareira têm ficado acima da média neste mês. Nas últimas 24 horas, a pluviometria registrada foi de 9,6 milímetros. Por sua vez, o valor acumulado nas primeiras duas semanas de março é de 157,5 milímetros - o que representa cerca de 88,5% de todo o volume esperado para o mês inteiro. A média histórica de março é de 178 mm.

Responsável por abastecer 6,5 milhões de pessoas na capital e na Grande São Paulo, o Cantareira registrou queda pela última vez há 45 dias, no dia 1º de fevereiro, quando os reservatórios que compõem o sistema perderam 0,1 ponto porcentual da água represada. Na ocasião, o nível desceu de 5,1% para 5%.

Outros mananciais. Responsável por atender 4,9 milhões de pessoas, o Sistema Guarapiranga registrou aumento de um ponto porcentual nesta terça. Antes com 75,8%, o reservatório opera com 76,8% da capacidade. Sobre a região, a pluviometria foi de 15,6 mm.

Em alta há 11 dias, o Sistema Alto Tietê subiu 0,2 ponto porcentual e está com 22% do volume armazenado de água - cálculo que leva em conta 39,4 bilhões de litros de volume morto. No dia anterior, o manancial tinha 21,8%. Nas últimas 24 horas, choveu 10,3 milímetros na região.

Proporcionalmente, o Sistema Alto Cotia teve a maior alta: 1,1 ponto porcentual. As chuvas na área do manancial foram fortes, de 26,6 milímetros segundo a Sabesp, e fizeram com que o nível subisse de 54,9% para 56%.

Já os Sistemas Rio Grande e Rio Claro registraram aumento de 0,2 e 0,1 ponto porcentual, respectivamente. Os mananciais operam com 98,3% e 40,5%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise da ÁguaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.