Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Nível do Cantareira sobe pelo 8º dia consecutivo

Manancial está com 14,3% da capacidade; outros cinco sistemas de abastecimento hídrico da região também registraram aumento

O Estado de S. Paulo

13 Março 2015 | 09h07

SÃO PAULO - Estatísticas da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) mostram que o Sistema Cantareira, que abastece de água mais de 6 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo, voltou a registrar crescimento em seu nível de reserva hídrica nesta sexta-feira, 13. Agora, o manancial conta com 14,3% de sua capacidade, ante 14% na quinta-feira, 12. Trata-se do oitavo dia consecutivo de crescimento.

Esse aumento ocorreu apesar da diminuição dos índices pluviométricos na região. Entre quinta e sexta-feira, houve acúmulo de apenas 0,7 milímetro de água pluvial sobre o reservatório, ante 4,4 mm nos dois dias anteriores. Desde o início de março, o sistema acumulou 132,2 mm de água da chuva, o que corresponde a 74% dos 178 mm previstos para todo o mês.

Outros mananciais. Além do Cantareira, os outros cinco sistemas de fornecimento de água para a Grande São Paulo observaram elevação em seus níveis de reserva entre quinta e sexta-feira. O que mais subiu proporcionalmente foi o Rio Grande, que passou a contar com 95,1% de sua capacidade, 1,8 ponto porcentual a mais do que no dia anterior.

Em seguida, surge o Guarapiranga, onde o volume armazenado atingiu 72,8% do total, ante 72,2% na quinta-feira. O Alto Cotia passou, no período, de 53,3% para 53,6%. Já o Alto Tietê subiu 0,2 ponto percentual, alcançando a marca de 20,6%.

Por fim, o Sistema Rio Claro cresceu só 0,1 ponto porcentual, chegando ao patamar de 40% de sua capacidade de reserva de água.

É importante destacar que, apesar dos pequenos aumentos registrados nos seis mananciais, a Grande São Paulo ainda enfrenta a pior crise hídrica de sua história, que pode se agravar nos próximos meses, com  a chegada do outono e do inverno, quando a quantidade de chuvas costuma cair significativamente na região. A recomendação é para que o uso da água seja consciente e racional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.