Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Nível do Cantareira dobra em fevereiro, após altas consecutivas

Principal manancial de São Paulo chegou a 10%, mas ainda faz uso de duas cotas de volume morto que não foram recuperadas

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2015 | 09h23

SÃO PAULO - O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de São Paulo, dobrou em fevereiro. Há 15 dias consecutivos registrando aumento, os reservatórios atingiram 10% da capacidade nesta sexta-feira, 20, segundo boletim da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). No primeiro dia do mês, quando sofreu queda pela última vez, o índice era exatamente a metade: 5%.

De acordo com dados da Sabesp, o aumento no volume de água represada no Cantareira foi de 0,5 ponto porcentual nesta sexta. No dia anterior, o nível estava em 9,5%. Sobre a região, as chuvas registradas nas últimas 24 horas foram de 6,5 milímetros. Por sua vez, a pluviometria acumulada em fevereiro, de 266,5 milímetros, já é cerca de 34% superior à média histórica para o mês inteiro, de 199,1 mm.

Responsável por abastecer 6,5 milhões de pessoas, o manancial subiu 2,7 pontos porcentuais só nos últimos cinco dias. Além da presença das chuvas, a redução do volume de água retirado ajuda a explicar o aumento do Cantareira. Há um ano, a Sabesp captava 32,6 mil litros por segundo. Atualmente esse número é de 11 mil litros por segundo, cerca de 66% menor.

O atual cálculo da Sabesp para a capacidade do manancial, que chegou a passar oito meses sem nenhuma alta em 2014, inclui duas cotas do volume morto, água represada abaixo dos túneis de captação. A primeira, de 182,5 bilhões de litros de água, foi adicionada em maio, enquanto a segunda, de 105 bilhões de litros, em outubro. Apesar das chuvas, esses volumes de água ainda não foram recuperados.

Outros mananciais. O nível de outros quatro mananciais que abastecem a capital e Grande São Paulo também cresceu nesta sexta. Apenas o Sistema Rio Grande, que havia registrado alta de um ponto porcentual na quinta, 19, se manteve estável em 83,9%.

Após registrar pluviometria de 4,4 milímetros, o Alto Tietê subiu pelo 15° dia seguido e alcançou 17,8% da capacidade - número que já considera um volume morto de 39,4 bilhões de litros. No dia anterior, o índice era 0,6 ponto porcentual menor, de 17,2%.

Com índice de chuvas já superior à média histórica do mês, o Guarapiranga subiu 0,3 ponto porcentual nesta sexta. O reservatório está com 57,1% da capacidade, ante 56,8% na quinta.

Os Sistemas Alto Cotia e Rio Claro subiram 0,4 e 0,2 ponto porcentual, respectivamente. Nesta sexta, os mananciais operam com 36,6% e 35%.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.