'Ninguém ajudou porque muitos tinham medo de serem levados pela água'

ENTREVISTA

Marcela Spinosa, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2010 | 00h00

Maria Sueli Gomes, sobrevivente do acidente de anteontem, que resultou na morte de casal

Para não morrer afogada, a doméstica Maria Sueli Gomes, de 32 anos, quebrou o vidro do Monza em que estava com seus vizinhos e escapou pela janela. Ela também resgatou a sobrinha deles, de 8 anos. No entanto, não conseguiu salvar o casal de amigos.

Como foi o acidente?

Descíamos a rua de carro e as pessoas gritaram para a gente não ir - porque a rua estava alagada. O Almir (condutor do veículo) tentou dar ré, mas não deu certo.

O que aconteceu em seguida?

O carro foi levado pela água e parou em uma parede.

 

Como você escapou?

Quando o carro começou a ser levado, chutei o vidro da janela com os dois pés e ele quebrou. Depois que o carro parou em uma parede, ainda tentei tirar a menina, mas a roupa dela enroscou. Aí, eu saí primeiro e tirei ela. Não queria morrer daquele jeito. Eu somente pensava na minha filha.

E você tentou resgatar o casal?

A Nádia (mulher de Almir) estava no banco de trás também. Quando saí, coloquei a mão na água, mas ela não veio. Ela não se desesperou. Orou muito. O Almir tentava abrir a porta dele, mas ela travou. Ele gritou por socorro, batia na janela. Ninguém ajudou porque muitos tinham medo de serem levados pela água.

O que aconteceu quando você saiu do carro?

Tinha mureta no muro. Consegui colocar a menina lá e entramos pela janela de uma casa. Os moradores fecharam a janela e não vi mais nada. Queria ter descido para ajudá-los. É um choque, uma cena que nunca sairá da minha mente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.