Nikkeypedia do Brasil decifra o Japão online

Ogawa fez versão da Wikipedia com 1.500 verbetes, que privilegia mistura cultural

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2010 | 00h00

Akio Ogawa, de 67 anos, é daqueles que pronunciam corretamente as palavras Hiroshima ("riroshima"), sushi ("súshi") e lámen ("rámen"). Aprendeu em casa a falar a língua dos pais imigrantes, mas perdeu a fluência com o passar dos anos. Foi para entrar novamente em contato com as raízes nipônicas que ele, primeiramente, tratou de casar com a professora de japonês. Depois, criou a Nikkeypedia, uma enciclopédia online da cultura nipo-brasileira.

Akio se inspirou, claro, na Wikipedia, a enciclopédia colaborativa mais famosa do mundo. "Nós, japoneses, somos ruins de comunicação. A internet pode ser a melhor ferramenta para divulgar nossa cultura", diz. Além de administrar os "wikis" (as páginas com informações inseridas pelos leitores), ele também acumula a função de presidente do Conselho de Segurança (Conseg) da Liberdade.

A ideia de criar a Nikkeypedia surgiu há pouco mais de dois anos, mas já vinha sendo gestada desde a adolescência. Em São Paulo, Akio estudou em escola e faculdade públicas e, ao se formar em Economia, decidiu tornar-se professor universitário. Vocação ele não tinha, mas precisava "agradecer e retribuir a educação que recebeu gratuitamente neste País" - mais japonês, impossível.

A carreira de professor não deu certo e Akio decidiu que difundiria seus conhecimentos na internet. Além da própria réplica da Wikipedia, criou também o Nikkeyweb (um portal de congregação de todas as comunidades nikkeys de São Paulo) e o Instituto Ícaro, para gerenciar os sites. "As pessoas precisam ter acesso à informação sem precisar comprar livros", diz Akio, que contabiliza quase 100 mil acessos mensais à Nikkeypedia. "Se cada um que tiver paixão por algum aspecto da nossa cultura puder ajudar, em breve teremos um grande dicionário online."

Colaboradores. Como a Wikipedia, a enciclopédia "japa" pode ser editada por qualquer um, basta criar uma conta com login e senha - isso torna a edição nem tão anônima assim, já que tudo é monitorado pela equipe do site. São 367 colaboradores cadastrados até agora.

O site conta com quase 1.500 verbetes. Vão desde a explicação do aikido (uma arte marcial japonesa) até o perfil da atriz Daniele Suzuki e da artista plástica Tomie Ohtake. A história completa do desenho Pokémon e a localização geográfica de vários distritos japoneses também estão lá.

Akio acredita que os grandes interessados na cultura japonesa não são exatamente os nisseis (os filhos de japoneses), e sim os não-descendentes. "Hoje temos em andamento uma nova cultura, nem japonesa nem brasileira, mas uma mistura. Não é mais preciso ter uma ligação formal com a cultura nipônica para querer consumi-la", afirma.

O bancário carioca Rodrigo Reis, de 25 anos, que o diga. "Meu contato com a cultura nipônica se deu por animes, mangás e games. O Japão contemporâneo tem um grande apelo pop na indústria de entretenimento", afirma ele, que se cadastrou recentemente na enciclopédia. Pretende criar um verbete explicando vida e obra do diretor Akira Kurosawa.

De acordo com a pesquisadora Cristiane Sato, especialista em história japonesa, não é preciso ir muito longe para ver que a tradição japonesa já está há muito misturada com a brasileira. "Aqui, no Brasil, as pessoas praticam cultura japonesa ao seu modo. Só que falta informação para além do consumo", explica.

ALGUNS VERBETES

Kooden

Costume japonês de levar dinheiro ao velório de um ente querido como uma forma de

demonstração de respeito pelo falecido e pela família, que tem de arcar com um gasto muitas vezes inesperado

Nori

Folha feita de algas marinhas - amplamente utilizada em pratos da culinária japonesa

Wagashi

Doces típicos japoneses

Yooshi

Quando o marido é adotado formalmente como filho pela família da esposa

Dohyo

Ringue onde acontece a luta de sumô

Hoji

Cerimônia de homenagem póstuma

Kanji

Caracteres de origem chinesa usados para escrever em Japonês

Mi-ai

Encontro de futuros noivos antes do casamento pré-arranjado, pessoalmente ou apenas por foto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.