Nigerianos usam SP como rota de cocaína para Europa e África

O relatório mundial sobre drogas de 2012 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) destaca que o tráfico de cocaína para o oeste da Europa e para a África passa por São Paulo e está nas mãos de grupos nigerianos. O documento observa que a mudança no comando do crime na América do Sul, por muitos anos nas mãos de grupos criminosos colombianos, ocorreu a partir de 2005 e está consolidada.

O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2012 | 03h04

Segundo a ONU, a maior parte desses grupos criminosos não é organizada hierarquicamente, opera como unidades independentes em redes abertas. Dessa forma, fica difícil impedir o fluxo. Desde 2007, a Polícia Federal brasileira investiga a rota e, em 2009, desbaratou três quadrilhas de tráfico internacional de nigerianos que atuavam no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. As quadrilhas pagavam propina a servidores da Receita Federal e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), além de cooptar funcionários de companhias aéreas e vigilantes responsáveis pela segurança do aeroporto para que facilitassem o envio de malas cheias de cocaína.

O relatório da ONU indica que Venezuela, Equador, Peru e Brasil seguem recebendo grande parte da droga produzida na Colômbia - na rota para a Europa. Uma parte da cocaína enviada para o Brasil é posteriormente contrabandeada para a África (sobretudo o oeste e sul do continente), por causa de afinidades linguísticas (mesma língua). Portugal, aliás, emerge como área significativa para o trânsito de drogas, notavelmente no período de 2004 a 2007, enquanto que a rota do oeste da África parece ter se tornado menos ativa.

No Brasil, as apreensões federais de cocaína mais do que triplicaram desde 2004, chegando a 27 toneladas em 2010. O relatório ainda cita um aumento no consumo dessa droga e do crack, mas destaca que o País não conta com uma base de dados recentes que permita mensurar o tamanho do problema. Entre as iniciativas governamentais, porém, ressalta o plano nacional de combate ao crack de 2011.

No mundo. Estima-se que 230 milhões, ou 5% da população adulta mundial (de 15 a 64 anos ), utilizaram alguma droga ilícita em 2010. "A heroína, a cocaína e outras drogas continuam matando 200 mil pessoas por ano, devastando famílias, levando à miséria milhares de pessoas, bem como gerando insegurança e a disseminação do vírus da aids", disse ontem o diretor executivo da UNODC, Ygor Fedotov, ao lançar o relatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.