Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Niemeyer faz 103 anos cheio de projetos

Novas obras em andamento no Brasil e no exterior, revista, samba: o arquiteto não para

Alfredo Junqueira e Bruno Boghossian, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2010 | 00h00

A inspiração parece correr mais rápido que o tempo para Oscar Niemeyer. O arquiteto completou 103 anos ontem participando da inauguração de mais uma de suas obras erguidas na orla de Niterói, na região metropolitana do Rio. Com fôlego de sobra, Niemeyer apresentou ainda quatro projetos inéditos e mostrou que ideias novas continuam a sair de sua prancheta.

À beira da Baía de Guanabara, a nova construção tem a marca do arquiteto: uma cúpula, um espelho d"água e uma rampa curvilínea, que dará acesso à nova sede da Fundação Oscar Niemeyer. Com área de cerca de quatro mil metros quadrados, o prédio abrigará um centro cultural, um centro de documentação, que reunirá o acervo de criações do arquiteto, e a Escola Oscar Niemeyer de Arquitetura e Humanidades - com cursos variados. O projeto custou R$ 10 milhões e integra um circuito de obras assinadas por ele na orla de Niterói, que foi batizado de Caminho Niemeyer.

Os desenhos inéditos do Aquário de Búzios; o Museu de Arte Contemporânea de Ponta Delgada, no Arquipélago dos Açores, em Portugal; a Vinícola Château Lacoste, na França; e o Ateliê Saint-Moritz, na Suíça, estampam as páginas do 8.º número da revista trimestral Nosso Caminho, editada por ele e pela mulher, Vera Lúcia. O periódico dedicado à arte e à cultura terá artigos do ex-presidente cubano Fidel Castro e do escritor uruguaio Eduardo Galeano, redigidos especialmente para a edição.

O atraso dos anfitriões da solenidade em Niterói não afetou o bom humor de Niemeyer. O prefeito da cidade, Jorge Roberto Silveira (PDT), chegou 30 minutos depois do horário marcado. O presidente da Fundação Oscar Niemeyer, senador Marco Maciel (DEM-PE), atrasou mais de uma hora. Mesmo com a espera e o assédio de jornalistas e admiradores, o arquiteto manteve-se sereno.

"Os amigos vieram e isso é muito bom. É uma compensação do meu trabalho", disse Niemeyer. "O trabalho me distrai. Quando vou fazer um projeto passo horas pensando nele. Fiz agora um aquário. É o primeiro projetado dentro d"água. Para mim, não é um sacrifício. Cada problema que aparece é um esforço para resolver, e me agrada muito que eu ainda consiga resolver", explicou o arquiteto, queixando-se, no entanto, da duração do evento.

Espanha. Os 103 anos do arquiteto também foram comemorados na Espanha, com a inauguração da cúpula do Centro Cultural Internacional Oscar Niemeyer, em Avilés. O espaço dedicado à educação e à cultura conta com um auditório, uma praça aberta e um mirante.

A disposição de Niemeyer para continuar criando é tão grande que o arquiteto se arrisca em outras áreas. O samba Tranquilo com a vida, composto por Niemeyer em parceria com o enfermeiro Caio Almeida e com o músico Edu Krieger, estava previsto para ser lançado ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.