New faces chegam cada vez mais altas à semana de moda

Novatas desta edição têm mais de 1,80 metro de altura e fazem modelos veteranas, como Alessandra Ambrósio, parecerem mais baixinhas

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2012 | 02h03

É só entrar nos camarins da São Paulo Fashion Week para perceber: há uma geração de modelos bem mais altas do que a maioria das veteranas. Prova disso é que a top internacional e uma das angels da marca de lingerie americana Victoria's Secret Alessandra Ambrósio, de 32 anos, com 1,78 metro de altura, era uma das modelos mais baixas do desfile da Colcci, realizado anteontem no Parque Villa-Lobos, zona oeste. Hoje, a altura média das novatas é de 1,82 m.

Dani Witt, de 19 anos, estreou nesta temporada da SPFW. A gaúcha de 58 quilos e 1,82 m é uma das apostas da agência Joy, que levou cerca de 15 modelos aos castings (provas de roupas). É nessa hora que são escolhidas as profissionais mais adequadas para o desfile. Em média, cinco delas são aprovadas. Dani desfilou para oito grifes, como a da Gloria Coelho, que abriu ontem o terceiro dia de desfiles com roupas que misturam tecidos pesados como lã e couro, com tule e seda.

"Os estilistas escolhem sempre as mais altas. E isso quer dizer, no mínimo, 1,80 m", diz Anderson Baumgartner, dono da agência Way. "Há dez anos, quando a Carol Trentini começou a desfilar, com 1,80 m, ela parecia uma girafa perto das outras candidatas. Depois cresceu um pouco mais. Hoje, ela está na média das new faces", diz.

Quando a equipe da agência Way sai em busca de novos rostos para a moda, um dos parâmetros é ter mais de 1,80 m. A aposta nesta temporada da SPFW foi Jéssica Pantano, de 17 anos, com 1,82 m, que desfilou para oito marcas.

Nas alturas. "Quando preparo minha coleção, já faço as roupas na proporção dessa garotada alta. Quando chega uma modelo mais baixa, geralmente recuso para não ter de mexer na costura das roupas", diz Rodrigo Rosner, que apresentou ontem sua coleção de roupas de festas Se Eu Fosse Maria Carolina. O estilista conta que Maria Carolina seria seu nome, caso tivesse nascido mulher. "Então, pensei em roupas que eu usaria à noite se eu fosse mulher."

Ser muito alta virou um quesito importante, mas há outras variáveis. Para preparar Jéssica para as passarelas, a Way investiu R$ 20 mil na jovem. "Além de ter um potencial nato, ela precisou aprender a andar, a posar para fotos e, até mesmo, se vestir", disse Baumgartner.

A new face desfilou para Gloria Coelho e Alexandre Herchcovitch, que fez um desfile inspirado nas flores que surgiram em saias volumosas, mas teve também muita listra em camisas e babados em vestidos lisos.

"Aqui no Brasil, as modelos são escolhidas de forma muito diversa que no exterior", diz Eli Hadid, fundador da agência Mega. "Aqui eles procuram cada vez tipos mais exóticos. Lá fora, eles querem apenas mulheres bonitas." / COLABORARAM MARIANA BELLEY E FLÁVIA GUERRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.