Nevoeiro faz metade dos voos de SP atrasar

Congonhas interrompeu operações por 2h50 e Cumbica operou por instrumentos

Adriana Ferraz e Juliana Deodoro - O Estado de S. Paulo,

12 de junho de 2012 | 10h24

Texto atualizado às 22h37.

SÃO PAULO - O forte nevoeiro que encobriu São Paulo na noite de segunda-feira, 11, e no início da manhã de terça-feira, 12, causou transtornos ao provocar o fechamento do Aeroporto de Congonhas, na zona sul, das 6h às 8h35. Das 19h40 às 20h, as operações voltaram a ser paralisadas - às 20h, apenas decolagens eram feitas. Às 20h, mais da metade dos voos estava atrasada. E o fenômeno deve se repetir nesta quarta e quinta, mas com menor intensidade. A previsão é de que só na sexta-feira, quando a temperatura deve subir, a capital amanheça com boa visibilidade.

"Esse fenômeno é comum nesta época do ano, quando as temperaturas caem (a mínima na terça foi de 14° C)", afirma o meteorologista da Climatempo, André Madeira. Quando a umidade do ar está acima de 80%, como na noite de segunda, pequenas quedas de temperatura já podem formar o nevoeiro - popularmente chamado de neblina.

"Normalmente, o nevoeiro &eacute formado no in&iacutecio da manh&atilde, quando registramos a temperatura m&iacutenima. Em dias de muita chuva, como foi segunda-feira, no entanto, n&atildeo &eacute preciso que a temperatura caia muito."

O meteorologista conta que dois fen&ocircmenos podem atrapalhar a visibilidade pela manh&atilde: o nevoeiro e a n&eacutevoa. O primeiro &eacute mais intenso que o segundo e impede a vis&atildeo horizontal em dist&acircncias menores que 1 km. Quanto mais cedo o nevoeiro &eacute formado, mais intenso ele &eacute e mais tempo demora para se dissolver.

Toda Regi&atildeo Metropolitana registrou o fen&ocircmeno. H&aacute, por&eacutem, &aacutereas mais prop&iacutecias, como a do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, assim como vales e baixadas nas estradas, onde h&aacute ac&uacutemulo do frio. Em Cumbica, por exemplo, a visibilidade n&atildeo passou de 600 metros entre 21h de anteontem e 8h de ontem. J&aacute em Congonhas ficou entre 150 e 300 metros entre 0h e 3h.

Voos. A falta de visibilidade obrigou a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportu&aacuteria (Infraero) a fechar Congonhas por 2h50. Nos dois aeroportos, por&eacutem, pousos e decolagens tiveram de ser feitos com a ajuda de instrumentos: Congonhas, das 8h35 &agraves 12h, e Cumbica, da 0h &agraves 12h - &agraves 19h, Cumbica voltou a operar s&oacute dessa forma.

Segundo a Infraero, entre meia-noite e 20h de ontem, foram cancelados 42 voos no aeroporto de Congonhas e 24 em Cumbica. Os atrasos tamb&eacutem foram significativos. Do total, 118 voos de Congonhas sa&iacuteram com atraso (55,7% das opera&ccedil&otildees). Em Guarulhos, 73 voos decolaram fora do hor&aacuterio (24,9%).

A Infraero afirmou que os n&uacutemeros estavam acima da m&eacutedia, mas n&atildeo divulgou qual &eacute a m&eacutedia di&aacuteria de atrasos.

Segundo a Climatempo, o nevoeiro tamb&eacutem atingiu o Vale do Para&iacuteba - j&aacute na noite de anteontem -, causando acentuada restri&ccedil&atildeo da visibilidade na regi&atildeo, inclusive nas Rodovias Presidente Dutra e no Sistema Ayrton Senna/Carvalho Pinto.

"Normalmente, o nevoeiro é formado no início da manhã, quando registramos a temperatura mínima. Em dias de muita chuva, como foi segunda-feira, no entanto, não é preciso que a temperatura caia muito."

O meteorologista conta que dois fenômenos podem atrapalhar a visibilidade pela manhã: o nevoeiro e a névoa. O primeiro é mais intenso que o segundo e impede a visão horizontal em distâncias menores que 1 km. Quanto mais cedo o nevoeiro é formado, mais intenso ele é e mais tempo demora para se dissolver.

Toda Região Metropolitana registrou o fenômeno. Há, porém, áreas mais propícias, como a do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, assim como vales e baixadas nas estradas, onde há acúmulo do frio. Em Cumbica, por exemplo, a visibilidade não passou de 600 metros entre 21h de segunda e 8h de terça. Já em Congonhas ficou entre 150 e 300 metros entre 0h e 3h.

Voos. A falta de visibilidade obrigou a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) a fechar Congonhas por 2h50. Nos dois aeroportos, porém, pousos e decolagens tiveram de ser feitos com a ajuda de instrumentos: Congonhas, das 8h35 às 12h, e Cumbica, da 0h às 12h - às 19h, Cumbica voltou a operar só dessa forma.

Segundo a Infraero, entre meia-noite e 20h de terça, foram cancelados 42 voos no aeroporto de Congonhas e 24 em Cumbica. Os atrasos também foram significativos. Do total, 118 voos de Congonhas saíram com atraso (55,7% das operações). Em Guarulhos, 73 voos decolaram fora do horário (24,9%).

A Infraero afirmou que os números estavam acima da média, mas não divulgou qual é a média diária de atrasos.

Segundo a Climatempo, o nevoeiro também atingiu o Vale do Paraíba - já na noite de segunda -, causando acentuada restrição da visibilidade na região, inclusive nas Rodovias Presidente Dutra e no Sistema Ayrton Senna/Carvalho Pinto.

Tudo o que sabemos sobre:
neblinaaeroportoCongonhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.