Nevasca na Europa tumultua Cumbica

Atrasos em voos domésticos também ajudaram a complicar o domingo dos passageiros - na Webjet, metade das operações foi fora do horário

Valéria França, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2010 | 00h00

Desanimador. Esse era o cenário ontem no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Do lado do embarque doméstico, a Webjet metade de seus voos - 51- por mais de meia hora. O índice da TAM foi menor, 21%, porém mais impactante. Representavam 122 dos voos programados pela companhia para o dia.

Na ala internacional, a situação era bem pior. As filas do check-in pareciam intermináveis. Passageiros esgotados de tanto esperar sentavam no chão, outros se acomodavam sobre malas ou tentavam dormir nas cadeiras.

A nevasca do forte inverno europeu provocou atrasos e cancelamentos em Cumbica. A TAM suspendeu dois voos para Londres - um que sairia ontem e outro, hoje. Também ficaram sem embarcar para a capital inglesa passageiros da British Airways, companhia que ainda cancelou um voo para Buenos Aires.

No saguão, passageiros que brigavam por um assento aéreo desde o dia anterior. No sábado, a Air France suspendeu voo para Paris. Houve também caso de overbooking.

A professora Tabata Vidal, de 26 anos, que mora em Rio Claro, por exemplo, chegou a Cumbica com o pai às 18 horas de sábado. Ficou quatro horas na fila do check-in. Quando finalmente chegou sua vez, descobriu que não havia mais vaga para Amsterdã no voo da KLM. "Só embarcou quem fez o check-in pela internet", conta a professora, que passou a noite em um hotel da zona norte da cidade. Ontem ela passou mais cinco horas na fila do check-in. "Novamente teve gente que ficou de fora", conta ela, que ainda teria de encarar mais uma escala em Amsterdã para então chegar ao destino: Praga.

Aumento. Na edição de ontem o Estado revelou que a média dos atrasos, que até novembro era de 12,6% nos 12 aeroportos mais movimentados do País, saltou para 20,7% na primeira quinzena de dezembro. Ontem, às 20h, Guarulhos atingiu 22,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.