Ivan Alvarado/Reuters
Ivan Alvarado/Reuters

‘Nenhum meio de transporte por si só é a solução’, diz ex-prefeita chilena

Estimular mobilidade sem carro traz bons resultados em vários lugares do mundo, afirma Carolina Tohá

Entrevista com

Carolina Tohá

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Transformar ruas poluídas e barulhentas em espaços agradáveis para pedestres é uma bandeira de urbanistas de várias correntes. Ex-prefeita de Santiago, Carolina Tohá é reconhecida por avanços nesse sentido. Entre 2012 e 2016, ela liderou a implementação de um plano que prioriza o transporte público na capital chilena. Carolina está em São Paulo para o 1.º Fórum de Mobilidade Urbana, evento promovido pelo Estado nesta terça-feira, 5, e conversou sobre desafios para essa área. Leia a seguir: 

Qual era o cenário da mobilidade em Santiago?

A maioria das pessoas, cerca de 70%, fazia suas viagens no transporte público ou a pé. Mas as políticas haviam colocado muito mais recursos, e mais espaço nas vias, aos carros. Somos um país centralizado, e era difícil reverter essa realidade só dentro do município. Então, a estratégia foi criar um plano sustentável, que enfatizava o pedestre, o transporte público, mas precisávamos colaborar com outros órgãos. Isso se transformou em uma carteira de projetos que se financiou com os governos nacional, regional, com financiamento internacional e acordos de cooperação com cidades vizinhas. 

Mas não é fácil construir projetos integrados. Como foi?

 Tivemos sintonia. Isso permitiu que as iniciativas atravessassem fronteiras. Foi uma maravilhosa coincidência. Só ocorreu porque havia pessoas com pensamento similar. 

E o que saiu de mais positivo?

O projeto de mais impacto foi o Plano Centro (em quatro grandes vias da região central). No começo, houve muita resistência, mas conforme se desenvolveu, foi sendo valorizado. Mais importante foi a integralidade entre ações. Ele foi implementado nas ruas mais concorridas de Santiago. Deixamos ruas exclusivas para o transporte público e, sem carros, ampliamos calçadas e melhoramos o mobiliário urbano, tornando as ruas mais amigáveis para o pedestre. O transporte público melhorou o tempo de viagem e a experiência do pedestre também melhorou, porque estavam em calçadas mais largas, mais tranquilas, menos barulhentas. E havia também o desenvolvimento de ciclovias. Paralelamente, o plano previa ações para reduzir emissões. Assim, instalamos carregadores e fizemos licitação para táxis elétricos. Foi uma série de ações pequenas com bastante impacto. 

E quais foram as resistências?

De muitas formas. A mais forte foi dos taxistas. Eles gostam de reivindicar que são transporte público. Mas, do ponto de vista da igualdade no trânsito, funcionam como transporte privado. As vias exclusivas para transporte público não tinham táxis. Houve também grupos das pessoas que viviam nessas ruas. Diziam que tinham direito de pegar táxi ou carro nelas. Terceiro: reclamações de comerciantes sobre perda de clientes. Mas o comércio terminou beneficiado, porque aumentou o total de pedestres e, com isso, as vendas.

Esse conceito poderia ser aplicado nas outras cidades da América Latina?

Planos similares poderiam ser implementados. Mas o requisito para fazê-los bem é olhar cada realidade, ver onde estão as dificuldades e possibilidades. Em que a opinião pública permite avançar e em que não permite. Mas a ideia de dar dignidade ao pedestre e fomentar meios não motorizados está sendo compartilhada e tendo resultado em muitos lugares. Em todas as partes, isso passa por debates e resistência. Nunca é fácil. 

Essas ações, mesmo em conjunto, são mais baratas do que construir metrôs, por exemplo. São mais eficientes?

As soluções são mescladas. Nenhum meio de transporte por si é a solução. O metrô, sem dúvida, é importante. Mas não são apenas caros. Também são lentos. Mesmo com todo o dinheiro do mundo, a construção de uma linha é demorada. E nem todos os lugares têm condições de receber metrôs. Eles são para o trajeto mais longo. E a pessoa terá de caminhar, pegar um ônibus, para completar a viagem. 

QUEM É

Cientista política, Carolina Tohá foi a primeira prefeita eleita de Santiago, capital do Chile, onde exerceu mandato entre dezembro de 2012 e dezembro do ano passado. Em 2015, implementou o Plano Central na comuna (bairro com gestão própria) de Santiago. Embora tenha perdido as eleições para um vereador que se posicionou como crítico da proposta, o adversário decidiu manter o plano em operação. 

FÓRUM DO 'ESTADO' VAI DISCUTIR MOBILIDADE URBANA

O Estado  realiza nesta terça, das 8h30 às 12h30, o 1º Fórum de Mobilidade Urbana, no Rooftop 5 & Centro de Convenções, em Pinheiros, com abertura do pesquisador Phil Tinn, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), dos Estados Unidos.

Serão realizados dois painéis sobre o tema. No primeiro, sobre tecnologia, mobilidade e segurança, participam Ana Guerrini, head de Políticas Públicas e Pesquisa da 99; Ciro Biderman, coordenador do Mobilab e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV); Luis Antonio Lindau, diretor do WRI-Brasil para o programa Cidades Sustentáveis; Paulo Cabral, líder de crescimento para América Latina do Waze; e Pedro Palhares, diretor do Moovit no Brasil. 

No segundo painel, sobre parcerias para transformar os transportes, estarão Carolina Tohá, ex-prefeita de Santiago; Franz Drees-Gross, diretor global de transportes do Banco Mundial; Gu Tao, vice-presidente da Didi Chuxing; e o secretário municipal de Mobilidade e Transporte de São Paulo, Sérgio Avelleda. 

O encerramento será feito pelo ministro das Cidades, Alexandre Baldy. 

As inscrições para o evento estão esgotadas. O fórum tem patrocínio da 99.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.