Nenhum dos policiais envolvidos na morte de brasileiro será processado

Nenhum dos 11 policiais envolvidos na morte do estudante brasileiro Roberto Laudisio Curti, de 21 anos, em Sydney, na Austrália, em março, será processado criminalmente. Desses, cinco agentes terão de responder a ações disciplinares. Outros terão de passar por análise na corregedoria local. Já quanto ao uso de armas Taser e spray de pimenta, a Justiça solicita uma revisão das normas policiais - o mesmo vale para as abordagens.

O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2012 | 02h02

Durante a perseguição, em 18 de março, Curti foi alvo de 14 tiros da arma de eletrochoque da polícia australiana. O número de disparos só veio a público durante o inquérito. Nos vídeos que vieram a público também se mostrou que o estudante pediu socorro por duas vezes.

A coroner Mary Jerram considerou que ocorreu uma abordagem violenta desnecessária, apesar de "a vítima estar sob efeito de drogas". Mas decidiu não levar a júri os policiais porque o inquérito não apresentou uma causa única direta para a morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.