Nenhum adulto é indiciado por morte de menina atropelada por jet ski

Advogado da família vai recorrer; para ele, há provas para indiciar dono do jet ski por homicídio com dolo eventual

estadão.com.br,

06 Março 2012 | 16h14

SÃO PAULO - Inquérito da Polícia Civil não indiciou nenhum adulto pelo acidente de jet ski que matou Grazielly Almeida Lanes, de 3 anos, em Bertioga, litoral sul de São Paulo. Segundo o documento, o adolescente de 13 anos que pilotava o veículo é o responsável, informa reportagem da Estadão ESPN.

O jet ski que ficou retido na delegacia de Bertioga foi levado para perícia no Instituto de Criminalística (IC) na Baixada Santista. Um outro adolescente, que também estaria na moto aquática será ouvido em Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, a pedido dos pais e por carta precatória.

Nove testemunhas já prestaram depoimento, incluindo a família da criança, a mãe do adolescente e os donos do jet ski. O dono da casa de veraneio e da moto aquática reafirmou que o jovem usou a veículo sem autorização.

O advogado da família de Grazyelli, José Beraldo, disse acreditar que o Ministério Público terá "pulso firme" quanto à falta de punição a nenhum adulto no acidente que causou a morte da criança.

Para o advogado, há provas suficientes para o indiciamento por homicídio com dolo eventual dos responsáveis. "Foi confirmado através de uma fala de um dos adolescentes que o proprietário do jet ski autorizou que o caseiro levasse o veículo até a praia onde estava acompanhado dos dois jovens", afirma José Beraldo.

Os pais da criança dizem estar inconformados com a decisão do inquérito e irão recorrer.

Mais conteúdo sobre:
jet ski Grazyelli Bertioga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.