'Nem temos para onde ir', diz morador

Os moradores do Pinheirinho foram surpreendidos pela ação da Tropa de Choque. Muitos ainda dormiam quando os barracos começaram a ser desocupados. As famílias que tinham algum abrigo na cidade eram encaminhadas para os ônibus. Quem não tinha onde ficar era encaminhado para o centro de triagem, montado em um centro esportivo na frente da área invadida.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2012 | 03h00

Rodrigo Henrique Gonçalves, de 30 anos, foi um dos primeiros a deixar a área com a família. "Fomos pegos de surpresa, nem temos para onde ir", dizia ele, pela manhã.

Grávida de cinco meses, Jenifer Moreira, de 18 anos, aguardava a chegada da polícia para identificar a sua casa e seguir para a triagem. Ela estava dormindo quando a PM chegou. "Foi uma gritaria. Os policiais chegaram jogando bomba e atirando spray. Fiquei com os olhos ardendo."

Informações desencontradas aumentavam ainda mais a tensão entre os moradores. "Disseram para ir para a triagem, mas já rodei tudo e não consigo chegar lá", reclamava Saaid Ahmad Ali.

Os moradores estavam perdidos durante a reintegração. "Só Deus para nos ajudar nesse momento", dizia Marcos Roberto Claro, que levava cinco crianças e a mulher em um Chevette com o pneu furado.

Para o comerciante José Eduardo de Oliveira, de 30 anos, morador há quase oito anos no assentamento, a ação de desocupação deveria ser mais bem planejada. "Só consegui trazer algumas coisas, salvei meus filhos e os cachorros." Ele diz que deram apenas três minutos para ele sair. Segundo Oliveira, as mercadorias deixadas somam mais de R$ 2 mil, que ele espera reaver logo após a liberação da polícia para retirada dos móveis.

Sem estrutura. A maior reclamação dos desalojados era em relação às condições das tendas montadas no centro esportivo do bairro. "Isso parece um chiqueiro. Estão nos tratando como bicho", dizia a dona de casa Angela dos Santos, de 26 anos, referindo-se à lama e o mau cheiro da área. Antonia Anacleta da Silva, de 55 anos, há quase oito no Pinheirinho, dizia que ia passar a noite na calçada de uma das casas em frente ao centro de triagem. "Não tenho para onde ir", dizia, assustada com o barulho dos tiros e das bombas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.