Nem investimento de US$ 2 bilhões melhora o Tietê

Bacia do principal rio da cidade de São Paulo tem 11 pontos de água com qualidade ruim ou péssima

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

08 Maio 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Apesar do investimento de US$ 2 bilhões previsto entre 2009 e 2016 no projeto para sua despoluição, o Rio Tietê não registrou melhora na qualidade de suas águas, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira, 7, pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

O levantamento feito em 23 pontos de monitoramento espalhados pelos 1.10o quilômetros de extensão mostra que em 11 deles a qualidade da água do rio é ruim ou péssima. Os trechos mais problemáticos continuam sendo os que atravessam a Região Metropolitana, a partir de Suzano, e, só melhoram a partir de Laranjal, no interior.

"Nas proximidades da sua nascente, o Rio Tietê apresentou qualidade regular. No trecho do Médio Tietê, a jusante da Região Metropolitana de São Paulo, a qualidade piora, passando a péssima com presença de metais, toxicidade, eutrofização e baixos níveis de oxigênio dissolvido", diz o relatório. "O trecho mais crítico do Tietê, em termos de qualidade, situa-se a jusante da Região Metropolitana", completa.

Em nota, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que, em 2013, "os meses de janeiro e dezembro tiveram chuvas muito abaixo da média histórica, o que interfere nas análises" e que a Sabesp atua em apenas um entre os principais contribuintes com lançamento de esgoto no rio, na capital.

"Cabe ressaltar ainda que a limpeza do Tietê depende muito do combate à poluição difusa. Ou seja, do lixo e do esgoto clandestino lançado nas ruas e nos córregos da Grande São Paulo. Varrição e coleta de lixo não são atribuições da Sabesp, mas têm grande influência na poluição do rio, como comprova estudo da USP", afirma.

Segundo a companhia, os investimentos feitos em despoluição "já garantiram importantes resultados para a melhoria do rio". "Com a primeira e segunda fases do Projeto Tietê (1992-2008), o esgoto gerado por uma população de 8,5 milhões de pessoas passou a ser tratado. Ou seja, em menos de 20 anos, a Sabesp passou a tratar os dejetos de uma população equivalente à de Londres", afirma a empresa.

Segundo a concessionária, um estudo da Fundação SOS Mata Atlântica, ONG que monitora a qualidade do rio, mostra que a mancha de poluição diminuiu 160 km entre 1992 e 2008. "No começo dos investimentos, a poluição chegava até a barragem de Barra Bonita, a 260 km da capital. Com o fim da segunda etapa, em 2008, essa mancha recuou até Salto, a 100 km de São Paulo", afirma.

Atualmente, o Projeto Tietê está em execução na terceira fase com investimentos em 580 km de coletores e interceptores, 1.250 km de redes coletoras, 200 mil ligações domiciliares e aumento de capacidade de tratamento das estações em 10.500 litros/segundo.

Mais conteúdo sobre:
ÁguaSabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.