Nayara quer ir ao enterro da amiga Eloá em Santo André

Médicos avaliaram que participação não é adequada; garota deverá receber alta ainda na quarta-feira

Amanda Valeri, Agência Estado

20 de outubro de 2008 | 17h23

A adolescente Nayara, de 15 anos, recebeu nesta segunda-feira, 20, a notícia da morte da amiga de Eloá Cristina Pimentel, e demonstrou vontade de ir ao enterro dela, que será realizado amanhã de manhã no Cemitério de Santo André, no ABC Paulista. A informação é do secretário de Saúde da cidade, Homero Nepomuceno Duarte. A equipe que acompanha Nayara, no entanto, avaliou que a participação no enterro não é adequada.   Veja também: Nayara passará por nova cirurgia na terça-feira  Conselho quer inquérito contra a PM Corpo de Eloá será enterrado em cemitério de Santo André Lindemberg teme ser morto na cadeia e advogada fará a defesa Saiba como foi o fim do seqüestro Confira cronologia do seqüestro Galeria com imagens do seqüestro Todas as notícias sobre o caso Imagens da negociação com Lindemberg Alves I  Imagens da negociação com Lindemberg Alves II  Eloá, 'uma menina falante'; Lindemberg, 'um trabalhador' Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP   As duas jovens foram mantidas em cárcere privado pelo ex-namorado de Eloá, Lindemberg Fernandes Alves, de 22 anos, em um apartamento de Santo André. Duarte afirmou que a jovem recebeu com bastante frustração a notícia da morte de Eloá. "Ela manifestou emoção e tristeza, quadro que era esperado num caso como esse", declarou. Nayara, segundo ele, contou que já esperava um desfecho trágico, mas tinha esperanças de que a amiga conseguiria sobreviver. O médico disse que, apesar da reação, o quadro psicológico de Nayara é bom.   Sobre o pedido para comparecer ao enterro da amiga, o secretário disse que a equipe de psicólogos e psiquiatras que está acompanhando o tratamento de Nayara ponderou que a atitude é desaconselhável. "Não só por causa do quadro clínico dela, mas também pela comoção que o caso gerou", afirmou Duarte.   Ele contou que Nayara, desde que foi internada, não demonstrou desequilíbrio emocional, nem depressão profunda, nem brusca alteração do humor, o que permitirá que ela receba alta na quarta-feira, uma vez que o quadro clínico evolui bem. "Ela já mostrou vontade de ir embora, de deixar o hospital."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.