Nascente do Rio Tietê já recebeu 120 mil peixes

Objetivo de programa estadual é garantir a existência de espécies diversas, sobretudo no trecho mais limpo

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2012 | 03h07

A qualidade das águas do Rio Tietê no seu trecho paulistano é péssima. No trecho mais limpo próximo da nascente, em Salesópolis, porém, o governo estadual promove o repovoamento constante de peixes. Entre 2002 e 2011, cerca de 120 mil peixes criados em cativeiro foram soltos no rio, número que engloba 25 mil tabaranas - uma espécie sensível, que só vive em águas limpas e com muito oxigênio - e 95 mil lambaris do rabo vermelho.

O objetivo do programa é garantir a existência dessas espécies no rio, pois são típicas da região, mas poderiam encontrar dificuldades de se reproduzir sozinhas por causa das cinco barragens que bloqueiam o Tietê nos quilômetros iniciais. "Essas são espécies que precisam subir o rio para desovar", explica Marcos Daniel Renó Faria, diretor técnico do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) e responsável pelo projeto.

Ele afirma que ainda falta "um longo caminho" para que o trecho mais urbanizado do rio consiga receber peixes. "Provavelmente, isso vai acontecer com espécies como o bagre, que é mais resistente. Ainda falta muito", afirma. Enquanto isso não acontece, os peixes ficam restritos ao início do rio. "Eles são espertos. Quando chegam próximos da área poluída, conseguem perceber a falta de oxigênio e voltam para o alto curso." / R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.