Nas cidades vizinhas, moradores não querem sair

Pequenas localidades tentam resgatar suas vítimas, mas muita gente resiste a deixar casas

Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2011 | 00h00

Prefeituras das cidades vizinhas a Teresópolis, Nova Friburgo e Petrópolis tentam retirar, às pressas, centenas de famílias que moram em áreas de risco. Como voltou a chover na região serrana ontem e a previsão é de novos temporais nos próximos dias, o risco de mais enxurradas e deslizamentos preocupa as autoridades locais, que ainda trabalham para desobstruir estradas, retomar o abastecimento de água e atender os moradores que perderam suas casas.

Trezentas famílias que vivem em áreas de risco estão isoladas na zona rural de Sumidouro, onde pelo menos 17 pessoas morreram desde a quarta-feira. A prefeitura tem dificuldades para remover corpos, levar água potável aos bairros mais atingidos e resgatar desabrigados.

"Estamos tentando recuperar as estradas, pois 85% da população vive na zona rural. Essas famílias não têm acesso ao centro da cidade", afirmou o prefeito, Juarez Gonçalves Corguinha. Pelo menos seis pessoas estão desaparecidas no município.

Em Sapucaia, o prefeito Anderson Zanon foi às casas de dezenas de famílias que vivem em encostas e pediu que elas deixassem os locais. Mas enfrentou resistência - como a cidade não registrou mortes, muitos moradores acreditam que não há risco. Cerca de 130 pessoas tiveram as casas parcialmente destruídas e estão abrigadas em prédios públicos. A prefeitura estima que 60% do município foi afetado.

Em Areal, cerca de 10% dos 11 mil habitantes estão fora de casa. A prefeitura usa carros de som para alertar a população que vive em áreas de risco, pois novos temporais podem forçar a abertura das comportas de uma represa da região. Parte das tubulações da cidade foi carregada pela enxurrada da quarta-feira.

A cidade de Bom Jardim continuava sem comunicação ontem. Duas caminhonetes são usadas para retirar moradores de áreas de risco. Não há registros de mortos, mas dezenas de casas desabaram e muitas regiões ficaram isoladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.