Nas áreas isoladas, além de luz e telefone, faltam água e comida

Em Bom Jardim, supermercados que ficaram em pé não têm mais quase nada. Pontes e estradas estão destruídas

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2011 | 00h00

As consequências das chuvas em São José do Vale do Rio Preto são uma incógnita. Mais de 24 horas depois da enxurrada, 60 casas foram destruídas e pelo menos quatro pessoas morreram. O município está isolado, com a BR 116, a principal via de acesso, interditada. O Rio Preto subiu e destruiu as casas ribeirinhas.

Os dois lados do município estão isolados, pois uma ponte foi levada pelas águas e a outra teve a estrutura comprometida. A cidade está sem energia e sem fornecimento de água. Não há combustível para seus 20 mil moradores. Dois postos de gasolina foram destruídos e o que restou abastece só os carros oficiais. São da cidade as imagens da mulher sendo resgatada em meio a uma enxurrada, divulgadas ontem pelo Jornal Hoje, da Globo.

O prefeito de São José do Vale do Rio Preto, Adilson Faraco Brügger de Oliveira, se refugiou na prefeitura de Sapucaia, pois a sede da administração está soterrada por 3 metros de lama. "Na quarta-feira, ele conseguiu chegar até aqui por uma estrada de terra. Ninguém sabe ao certo o número de mortos", disse o secretário de Comunicação Social de Sapucaia, Sérgio Campante. "Pelas informações, as águas que desceram por Teresópolis chegaram à cidade com uma força brutal e arrebentaram tudo", disse o deputado Nilton Salomão (PT), que tentava chegar a Rio Preto.

No município de Areal, a 45 minutos dali, imagens transmitidas pela TV salvaram a vida da população ribeirinha. "Não tivemos mortes, porque soubemos da catástrofe em São José do Vale do Rio Preto e corremos para retirar a população que vive perto das margens do rio. Agora temos 1,2 mil desabrigados e desalojados. A água levou muitas casas", disse o prefeito de Areal, Laerte Calil de Freitas.

A situação está parecida em Bom Jardim, onde a rede de telefonia não funciona e o fornecimento de energia é parcial. A adutora da cidade foi destruída e o fornecimento de água interrompido. Quatro pontes da cidade caíram e há bairros ilhados. Dezenas de casas desabaram. Em nota, a prefeitura afirma que a cidade vive um "caos" e acrescenta que "a população está apreensiva, pois os supermercados que ficaram de pé já não têm mais quase nada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.