Governo de SP
Governo de SP

'Não vai ser em um passe de mágica', diz Garcia sobre reduzir roubos em SP

Crimes patrimoniais estão em alta no Estado; governador participou de evento na sede da Rota nesta terça e liberou pagamento de R$ 176,2 milhões em bonificações a servidores de segurança pública

Ítalo Lo Re, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2022 | 14h20

SÃO PAULO – Em alta em São Paulo, os crimes patrimoniais – principalmente roubos e furtos – estão na mira do governo do Estado. A pasta lançou recentemente a Operação Sufoco, que, entre outras medidas, tem o objetivo de dobrar o efetivo policial na capital paulista. A queda dos índices de criminalidade, no entanto, “não vai ser em um passe de mágica”, disse nesta terça-feira, 10, o governador Rodrigo Garcia (PSDB).

Conforme mostrou levantamento do Estadão divulgado neste fim de semana, em algumas regiões, como Campos Elísios, Consolação e Pinheiros, os roubos mais do que dobraram no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. As áreas centrais e os bairros nobres da cidade são os principais pontos de alerta durante a retomada das atividades.

Os furtos, ao mesmo tempo, cresceram em praticamente todas as regiões, o que também tem aumentado a sensação de insegurança da população. Variações dos crimes – como transferências por Pix, ferramenta de pagamento instantâneo, após o roubo de celulares – contribuem para que isso ocorra, uma vez que os prejuízos podem ser multiplicados para mais de R$ 100 mil.

“A população já percebeu um número maior de policiais nas ruas, um número maior de blitz”, disse Garcia nesta terça quando questionado sobre o levantamento do Estadão. Os resultados nos índices de criminalidade, porém, não devem ser observados a curto prazo. “Esse é um esforço permanente, não vai ser em uma passe de mágica que isso será resolvido”, acrescentou. A declaração foi dada na sede da Rota, tropa de elite da Polícia Militar de São Paulo.

O governo de São Paulo lançou a Operação Sufoco no último dia 4 para dobrar o efetivo de policiais nas ruas e focar no combate a roubos e furtos. Segundo Garcia, mais de 100 prisões foram realizadas e mais de 5 toneladas de drogas foram apreendidas desde o anúncio. “Os crimes contra o patrimônio cresceram, e são o foco da Operação Sufoco, para que a gente possa diminuir esses crimes contra o patrimônio mesmo com a circulação de pessoas voltando ao normal”, afirmou.

Um dos motivos é que roubos também podem evoluir para latrocínio, sobretudo quando cometidos a mão armada. “Crimes de roubo estão muito perto de virarem latrocínio. Eles (assaltantes) já têm o armamento, a intenção, e vai ter a vítima, a parte mais frágil desse crime de roubo", declarou na última semana o novo chefe da PM, coronel Ronaldo Vieira.

O governador reforçou que os indicadores de criminalidade estão voltando aos patamares de 2019, antes da pandemia de covid-19, mas defendeu que a polícia e o governo de São Paulo “não se acomodam com isso”. Pré-candidato à reeleição neste ano, Garcia tem como um dos principais concorrentes o ex-ministro Tarcísio Freitas (Republicanos), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que tem como bandeira a postura “linha dura” contra bandidos.

Garcia libera bonificação para policiais e outros servidores de segurança pública

O governador liberou nesta terça o pagamento de R$ 176,2 milhões em bonificação por resultados (BR) a policiais civis, militares e técnico-científicos, além de servidores da Secretaria da Segurança Pública (SSP). O pagamento está previsto para acontecer no próximo dia 23.

“Ao longo do ano de 2021, tivemos uma série de resultados alcançados e agora, com a condição econômica de São Paulo, vamos realizar o pagamento deste bônus”, disse Rodrigo Garcia. O governador reforçou ainda que o Estado vai dar continuidade à aquisição de novos equipamentos e de mais veículos para avançar no combate à criminalidade.

Segundo o governo, os bônus, que são referentes ao 1º e 2º bimestres de 2021, beneficiam os policiais e servidores que atuam em áreas em que houve redução dos índices de vítimas de letalidade violenta (homicídio doloso e latrocínio), roubo e furto de veículo, além de roubo em geral, a cada bimestre.

Serão repassados, em relação aos dois primeiros meses do ano passado, cerca de R$ 54,5 milhões a 89,1 mil profissionais, sendo 113 servidores civis da Secretaria de Segurança Pública, 20 mil policiais civis, 65,6 mil policiais militares e 3,2 mil policiais técnico-científicos.

A bonificação referente ao segundo bimestre de 2021 soma R$ 121,7 milhões, que serão destinados a 95,4 mil colaboradores – 117 servidores civis da SSP, 21,3 mil policiais civis, 70,4 mil policiais militares e 3,5 mil policiais técnico-científicos. 

Durante o mesmo evento, o governador assinou um decreto que cria uma medalha em alusão aos 50 anos da Rota, destinada aos paulistas que atuaram em prol da Polícia Militar no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.