Não sou um usuário satisfeito ou bem atendido

Há 11 anos e 6 meses pego a estrada todos os dias, metade Anhanguera, metade Bandeirantes, de Campinas, onde moro, para São Paulo, onde trabalho. Saio de manhã e volto à noite. De acordo com o economista José Pires Ramos, devo ter feito nesse período cerca de 4.158 viagens, considerando folgas e afastamentos. Significa que rodei pelo sistema formado pelas duas rodovias aproximadamente 690.228 quilômetros. Em valores médios históricos ponderados paguei mais de R$ 105,6 mil em taxas de pedágio. Conheço bem o trajeto e suas variáveis. Não sou um usuário satisfeito ou bem atendido.

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2011 | 00h00

Quase todos os anos a concessionária divulga a condição de melhor rodovia do País atribuída à autoestrada dos Bandeirantes. Nunca fui pesquisado. Não creio que haja mérito a ser premiado pelo trabalho correto que se espera seja feito. Manter o asfalto livre de buracos, os canteiros cuidados, a sinalização e os sistemas de segurança em funcionamento é dever de rotina.

Gostaria de ver inovação, iniciativa e modernidade que justificassem os R$ 27,80 que deixo nas cabines de pedágio um dia após outro. A empresa poderia, por exemplo, fazer o manejo do equipamento. Há várias formas. Negociar horários ideais e benefícios com as transportadoras de cargas é uma delas. Um esquema semelhante pode ser articulado mirando nos fins de semana prolongados, valendo também no começo e no fim das férias escolares. A redistribuição do mar de caminhões e carretas contribuiria para o escoamento seguro do trânsito.

Não existe a opção de pagamento do pedágio com antecipação, por meio de bilhetagem, com o benefício de um desconto proporcional ao aporte adiantado. Quando há congestionamento ou lentidão no sistema - frequentemente determinados por intermináveis obras de vários tipos; boa justificativa para os aumentos anuais -, a mera transposição de uma estrada para outra, em busca das melhores condições por meio de curtíssima passagem pelo Rodoanel, encarece o custo da viagem em R$ 1,40. Não deveria ser liberado o pedágio da ligação pelo tempo de duração da dificuldade? Não nessa vida. Não sob os termos do atual contrato de concessão.

É JORNALISTA DO GRUPO ESTADO.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.