Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Não há orientação para dificultar acesso a informações, diz Doria

Prefeito chamou de 'equívoco' orientação de número 2 de secretaria de Comunicação, Lucas Tavares, de dificultar o acesso de jornalistas a dados solicitados pela Lei de Acesso à Informação

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 10h00

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou na manhã desta quarta-feira, 8, que dificultar o acesso de jornalistas a informações da gestão municipal não é uma orientação da Prefeitura. "Não há nenhuma orientação nesse sentido", afirmou.

Na edição desta terça-feira, reportagem do Estado, revelou a gravação oficial de uma reunião da Comissão Municipal de Acesso à Informação (Cmai), em que o chefe de gabinete Lucas Tavares, número 2 da Secretaria Especial de Comunicação de Doria, atua para dificultar o acesso de jornalistas a dados solicitados pela Lei de Acesso à Informação. Para especialistas, a prática pode constituir improbidade administrativa e prevaricação. 

Segundo Doria, as opiniões de Tavares são pessoais. "Ele não é uma má pessoa, mas cometeu um equívoco", disse. Ele afirmou que qualquer providência a ser tomada em relação ao funcionário deve ficar a cargo do secretário de Comunicação. "Em hipótese alguma a Prefeitura de São Paulo vai endossar qualquer tipo de restrição ao acesso de informações", enfatizou. 

"Eu li a matéria e já determinei ao nosso secretário de Comunicação, Fábio Santos, que coíba qualquer iniciativa dessa natureza", disse a jornalistas na manhã desta quarta-feira, 8, no XP Datagro Agrifinance, evento técnico e financeiro sobre o agronegócio. O prefeito defendeu que sua gestão é transparente. "Nós temos de ter transparência absoluta a liberdade de acesso a todas informações da prefeitura", disse.

Sobre a gravação, Doria respondeu que o áudio "é um equívoco". "'Primeiro' não deveria ter falado, depois não deveria ter gravado", disse. "Esse exercício não tem a menor ressonância por parte da prefeitura e por parte do prefeito", afirmou.

Doria disse que não tinha conhecimento sobre a prática e que soube pela imprensa. "Ontem (terça-feira, 7) falei com o Fábio Santos para evitar que qualquer manifestação dessa natureza tenha ressonância na prefeitura. E todo o apoio para que a liberdade de acesso às informações seja plena para quem quer que seja", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.