Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

'Não funcionamos com base em pressão', diz Haddad sobre Uber

Prefeito fará uma última reunião antes de decisão sobre sancionar ou vetar o projeto de lei que proíbe o aplicativo na capital paulista

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2015 | 10h36

SÃO PAULO - A um dia do prazo final para decidir pela sanção ou pelo veto do projeto de lei que proíbe o Uber na capital paulista, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que sua gestão não funciona "com base em pressão". "Nós não funcionamos com base em pressão. Funcionamos com base em formação de juízo sobre o assunto", declarou no início da tarde desta quarta-feira, 7.

O prefeito fará uma última reunião antes da decisão. Nos últimos dias, Haddad antecipou elementos do decreto em reuniões com os dois sindicatos de taxistas e representantes de aplicativos para táxi, como o próprio Uber, além do 99Taxis e do Easy Taxi. 

"Independentemente da sanção ou do veto, que na minha opinião não é a coisa mais importante, o mais importante que vai acontecer amanhã é a regulamentação com base na lei federal, que é o Plano Nacional de Mobilidade Urbana", afirmou o prefeito.

Precarização. Para Haddad, se o serviço não for regulamentado, em pouco tempo sofrerá uma precarização.

"Começa bem, termina mal. A pessoa vem bem intencionada para a cidade, quer oferecer um serviço de primeira, mas entra um segundo, a concorrência acaba precarizando", disse o prefeito. "E nós vimos o que é transporte clandestino na cidade de São Paulo, e eu não vou permitir que isso aconteça e disse para quem quis ouvir."

Nova categoria. A Prefeitura deve criar uma nova categoria de táxis, a qual pretende integrar veículos da categoria especial (vermelho e branco) e os veículos de luxo da cidade. Serão táxis com bandeira mais cara, e devem servir de parâmetro para uma eventual regulamentação do Uber, aplicativo que oferece motoristas não cadastrados para serviços.

Segundo interlocutores, o prefeito encomendou um estudo detalhado sobre a situação dos táxis em São Paulo antes de ir a Paris, na França, na semana passada. Os técnicos entregaram um diagnóstico apontando para a migração dessas categorias especiais para os aplicativos.

Empresas que já têm aplicativos de táxi, como a 99Taxis, têm feito pressão no Executivo para aumentar a quantidade de táxis de luxo na cidade. Há 175 veículos nesta categoria. A 99Taxis diz que há mercado para até 5 mil carros. 

Conforme o Estado já informou, os "táxis virtuais" serão uma categoria nova na cidade que só vai atender corridas feitas pelos aplicativos. Eles terão de pagar uma taxa ao Município. 

Tudo o que sabemos sobre:
UberSão PauloTáxiFernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.