'Não é mais momento de manifestação', diz comandante da PM

Para o coronel Benedito Meira, clima agora é 'de festa'; 4 mil policiais trabalharão na região de Itaquera, na zona leste

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

11 de junho de 2014 | 12h08

SÃO PAULO - O comandante-geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), o coronel Benedito Meira, afirmou na manhã desta quarta-feira, 11, que as pessoas precisam compreender que não é mais momento para fazer manifestações. "O clima que tem no nosso País agora é um clima de festa. A Copa vai acontecer", disse. 

Meira declarou ainda que não cabe à PM discutir se os investimentos com a Copa foram corretos ou não. A intenção da corporação, agora, é assegurar às pessoas que queiram acessar os estádios que não tenham sua mobilidade impedida por qualquer circunstância. 

Na região de Itaquera, na zona leste da cidade, onde ocorrerá a abertura do Mundial, o comandante garantiu que haverá um efetivo de pelo menos 4 mil policiais, além do reforço do Exército em pontos da Radial Leste. 

A Tropa de Braço, formada por policiais treinados em artes marciais e equipados com cassetetes, sem armas de fogo, não está prevista. "Espero que não atue, mas vai estar preparada para ser utilizada", disse Meira. 

O comandante ainda assegurou que haverá policiais nas estações do Metrô "em toda a extensão da Linha Leste-Oeste (3-Vermelha)", que podem atuar na contenção de protestos. 

A PM terá papel secundário nas chamadas "fan fests" e "public views", pontos de exibição dos jogos. A segurança interna, segundo Meira, deverá ser particular, cabendo aos policiais apenas a cobertura da área externa. 

O secretário de segurança pública de São Paulo, Fernando Grella, disse que a população deve ficar tranquila. "A PM tem um planejamento muito bem definido. Só ontem (terça-feira, 10) foram três reuniões, hoje teremos outras. Tudo sendo planejado para garantir a mobilidade", assegurou. Grella ainda confirmou que o papel do exército na segurança será apenas de presença física, mas caberá à Polícia Militar a atuação operacional.

PMs na operação de trens. Questionado sobre a atuação durante a possível paralisação dos metroviários durante a abertura da Copa do Mundo, Meira disse que a PM estuda formas de operar os trens para essas ocasiões. "Nós só não conseguimos operar a máquina do Metrô. Se nós tivéssemos condições, faríamos isso. Mas eu acho que é uma coisa para se pensar no futuro. Por que não? É um serviço essencial, afinal de contas, então nós temos essa intenção, sim", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.