''Não durmo há quatro anos'', diz moradora

Uma moradora da Lapa que não quis identificar-se por medo de represálias de uma construtora diz que há quatro anos convive com uma obra ao lado da casa onde mora há 40 anos. Sua casa sofreu uma série de rachaduras e até suas porcelanas quebraram com a trepidação causada pela construção. O barulho não para de madrugada e sua família já foi ofendida por operários. "Não durmo há quatro anos. Passei a ter hipertensão e momentos profundos de tristeza."

Suzane G. Frutuoso, O Estado de S.Paulo

27 Março 2011 | 00h00

Quem convive com o barulho de uma obra durante o sono é candidato a desenvolver problemas graves de saúde. Não dormir direito aumenta até a mortalidade, apesar de muitas vezes a causa ficar camuflada. A sonolência é responsável, por exemplo, por acidentes de trânsito.

O sono é favorecido pela queda de temperatura, de luminosidade e de ruído. "Se um desses fatores estiver comprometido, a pessoa desperta no meio da noite. Às vezes, ela nem percebe o despertar, porque é breve. Mas o descanso fica fragmentado", diz a pneumologista Lia Bittencourt, coordenadora do Instituto do Sono.

Prejuízos para a memória, atenção e raciocínio, irritabilidade e ansiedade são reflexos já percebidos no dia seguinte. Com o passar do tempo, o sono acumulado causa hipertensão, arritmia cardíaca, depressão, ganho de peso, queda na imunidade e diabetes (a insulina é secretada à noite). O barulho constante durante o dia pode causar problemas auditivos, além de também ser responsável por estresse.

Algumas pessoas se acostumam com o ruído. Para as que não conseguem viver em paz, a melhor alternativa é minimizar o som, seja com janelas que bloqueiam ruídos ou com tampões de ouvido. A necessidade de sono, de acordo com fatores genéticos, varia entre seis e oito horas por dia. Mas há quem precise de 12 horas e quem esteja bem com menos de seis.

LIMITES SONOROS

Zonas residenciais

Entre as 7h e as 22h: 50 decibéis; das 22h às 7h: 45 decibéis.

Zonas mistas

Entre as 7h e as 22h: entre 55 e 65 decibéis; entre as 22h e as 7h: 45 a 55 decibéis.

Zonas industriais

Entre as 7h e as 22h: de 65 a 75 decibéis; entre as 22h e as 7h, de 55 a 60 decibéis.

Multa

Barulho: de R$ 4,5 mil a R$ 13 mil. Falta de licença: R$ 30.606.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.