'Não dava nem para se mexer', diz sobrevivente

Dezenas de sobreviventes e parentes de vítimas da tragédia na Kiss resgataram ontem pertences encontrados na casa após o incêndio. Alguns jovens prestaram depoimento. Pelo menos três deles relataram superlotação. "Não dava nem para se mexer", disse Audren Righi, de 20 anos, na 1.ª Delegacia de Santa Maria.

SANTA MARIA, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2013 | 02h03

A polícia trabalha com a hipótese de que pelo menos mil pessoas estavam na boate com lotação máxima para 691 clientes.

Bruno Brauner, de 25 anos, irmão do gaitista da banda Gurizada Fandangueira, Danilo Brauner, de 27, único dos músicos que morreu, estava desesperado. "Meu irmão tocava gaita desde os 9 anos, era a paixão dele. Meu pai também sempre foi gaiteiro", disse o irmão. / D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.