'Não cometi nenhuma irregularidade'

O senhor é investigado pelo Ministério Público por suspeita de propina e irregularidades em liberação de obras. O que diz a respeito disso?

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2012 | 03h02

Não cometi nenhuma irregularidade. Entrei na Prefeitura porque achei que tinha de pagar uma dívida com a cidade de São Paulo. Estou saindo com cinco imóveis a menos, inquéritos e ações contra mim. E a troco de quê?

O que o senhor diz sobre denúncias de Oscar Maroni de que o senhor teria pedido propina para liberar um prédio dele?

Nunca estive com o Maroni. Fui ao Ministério Público esclarecer as coisas e ele não foi. Se me encontrar com ele, um dos dois apanha.

O senhor é investigado por interferência política no Café Photo. O que diz sobre isso?

O local ficou fechado oito meses. Que influência pode haver num local que ficou fechado oito meses? A promotora Maria Amélia Nardy esteve comigo quando fiz a vistoria lá. Vou pedir para chamá-la como testemunha nesse caso.

Há também uma questão relacionada ao Shopping Capital.

Foi o caso de uma mulher de um lojista que disse que eu pedi um cheque de R$ 500 mil. A mulher foi chamada ao Ministério Público, além de outras pessoas. Todos negaram o que haviam falado. Agora, por que levantaram a história só agora?

Há outra denúncia feita contra o senhor, por funcionários da boate Romanza, que funciona na Avenida 9 de Julho. O senhor é acusado de ter pedido R$ 100 mil de propina para não fechá-la.

É outra inverdade. Eu passava com meu carro pela avenida quando vi uma multidão na calçada, numa área que é estritamente residencial. Pedi para falar com os proprietários, mas disseram que não tinha nenhum responsável. Liguei para a polícia, pedimos autorização para entrar e os porteiros deixaram. Lá dentro, havia irregularidade em relação ao extintor, à saída de incêndio e ao número de pessoas. O local foi fechado e, a pedido dos proprietários, fomos todos para a delegacia. Lá, um dos funcionários me acusou de estar bêbado e de ter pedido propina. Ele fez um boletim de ocorrência de extorsão, enquanto eu fiz um BO de denúncia de crime falso. / ARTUR RODRIGUES, BRUNO RIBEIRO, MARCELO GODOY e RODRIGO BURGARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.