Não basta ser Miss. Tem de ter 'propósito'

Concurso de beleza premia paraense de 23 anos que conseguiu arrecadar R$ 20 mil para entidade que atende crianças cardíacas ou com câncer

, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2010 | 00h00

Miss, agora, vem com certificado de beleza interior. Ou "Beleza com Propósito", como foi batizada uma das etapas mais importantes do concurso Miss Mundo. A concorrente tem de colaborar com alguma causa ambientalista, ou de caridade, e comprovar engajamento.

Kamilla. Vencedora paraense ganhou etapa física do concurso 

 

A vencedora brasileira da prova, disputada ontem em Angra dos Reis, foi a concorrente do Pará, Kamilla Salgado, de 23 anos, que conseguiu angariar R$ 20 mil com políticos do Estado para uma instituição que cuida de crianças que sofrem de câncer e de doenças cardíacas. Automaticamente, passou a ser uma das 15 finalistas (entre 38) do concurso nacional.

Kamilla atende o telefone, para dar a entrevista, agradecendo aos pais, a Deus e ao secretário de Finanças do Pará. "A gente vive em um planeta com tantos problemas ambientais, de saúde, de carência de recursos, eu quero ajudar de alguma maneira", diz a miss, que tem 1,72 metro, 58 quilos e 93 centímetros de quadril. Por enquanto, o corpão e a beleza exterior não a deixaram exercer o que aprendeu na faculdade de Administração de Empresas.

Depois de vencer o concurso "Rainha das Rainhas", em Belém, "as coisas foram acontecendo". Além de miss, Kamilla é modelo consagrada no Amazônia Fashion Week.

O diretor do Miss Mundo no Brasil, Henrique Fontes, explica que as candidatas tiveram liberdade para abraçar a causa que quisessem no "Beleza com Propósito". "Elas foram além do clichê, passaram uma mensagem eficaz", acha. A vencedora nacional vai ganhar R$ 20 mil, uma bolsa (de estudos) no valor de R$ 100 mil, guarda-roupa completo e treinamento com o venezuelano Alexander Gonzalez, de 42 anos, há 25 atuando como preparador de misses.

Gonzalez é apresentado como o milagreiro que conseguiu fazer a desmilinguida japonesa Ryio Mori ganhar da brasileira Natália Guimarães na disputa pelo Miss Universo em 2007. O segredo? "A maneira de caminhar de Ryio. Passei quatro dias ensinando-a a andar. Ela tinha "ganas" de vencer", diz o venezuelano.

Reviravolta. O "Beleza com Propósito" é uma verdadeira reviravolta no conceito de concursos de miss. Até então, as candidatas costumavam ter o propósito de ler O Pequeno Príncipe, virar apresentadora de TV, casar com alguém rico e ser bonita para sempre. "Além de mexer com a beleza física da mulher, o Miss Mundo mexe com a intelectual", acredita Kamilla. "A candidata tem de dar entrevista, falar inglês, ter uma postura social."

Para ela, a mulher bonita não está mais focada apenas na aparência. Kamilla dá o exemplo de Angelina Jolie. "Ela é boa atriz, embaixadora da ONU e se engajou na luta pelas populações menos favorecidas da África." Em seu filme mais recente, Salt, Angelina também dá saltos e atira pra todos os lados.

O Miss Mundo nacional foi criado em 2006, como uma dissidência do Miss Brasil. Até então, o Miss Brasil elegia a candidata ao Universo e também (o segundo lugar) ao Miss Mundo internacional. Agora, cada concurso elege a respectiva candidata.

As 38 concorrentes de Angra disputam no momento as etapas "esporte", "popularidade" (via internet) e "best model" . Kamilla dançou salsa, mas não conseguiu emplacar no quesito "talento". A finalíssima do Miss Mundo está marcada para o dia 30 de outubro na ilha de Sanya, que, segundo os organizadores, é "o Havaí da China".

No fim da noite de ontem, a organização informou que Kamilla venceu também na categoria "biquíni". Ninguém pode dizer, pela foto, que seja uma prova sem propósito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.