Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Na quarentena, Prefeitura de São Paulo reduz frota de ônibus em 45%

Prefeitura informa que número de pessoas que utiliza o transporte público apresenta redução de 70% por causa da medida para conter o avanço do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 22h05

A Prefeitura de São Paulo anunciou que vai diminuir a frota de ônibus em 45% durante a quarentena que teve início nesta terça-feira e vai até o dia 7 de abril, com possibilidade de ser prorrogada. Em nota, a Prefeitura informou que "o número de pessoas que utiliza o transporte público já apresenta uma redução de 70%".

Com a quarentena que tem o objetivo de conter o aumento de pessoas infectadas pelo novo coronavírus, todo o comércio e serviços não essenciais estão fechados. Por causa dessa diminuição do fluxo de pessoas, a Prefeitura adequou a circulação de ônibus na cidade. A medida foi tomada por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) e da São Paulo Transporte (SPTrans).

"A SPTrans seguirá monitorando diariamente a movimentação de passageiros e fará ajustes, se necessário, para atender com conforto e segurança a população. Em razão da pandemia do coronavírus, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que as pessoas evitem sair de casa.  A prioridade neste momento é manter o transporte disponível àqueles que prestam serviços essenciais na cidade e evitar a circulação desnecessária nas ruas da cidade", diz trecho da nota.

A SPTrans também informou que a frota de ônibus do Noturno passou de 430 para 211 veículos e que todas as 150 linhas do Noturno continuam em operação com invervalos maiores entre os veículos. Desde segunda-feira, a SPTrans já havia suspendido as cotas do Bilhete Único Estudante. Apenas os estudantes da área de saúde continuam com as gratuidades mantidas.

A quarentena em todo o Estado de São Paulo foi anunciada no último sábado pelo governador João Doria (PSDB) e passou a valer nesta terça-feira. Ela é válida em todos os 645 municípios paulistas. Os seguintes setores podem funcionar durante a quarentena: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, supermercados, hipermercados, mercados, padarias (mas não poderão servir alimentos no local), açougues, empresas de call center e telemarketing, postos de combustíveis, bancas de jornais, pet shops, clínicas veterinárias, empresas de transporte, táxis, serviços de transporte por aplicativo, construção civil, serviços de segurança, bancos, lotéricas, empresas de limpeza e manutenção e todas as indústrias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.