Na Marginal do Tietê, várias mudas já morreram

Diálogos da reunião do Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Cades) ocorrida em setembro, divulgados no Diário Oficial da Cidade em dezembro, mostram que não houve a compensação ambiental para 559 árvores cortadas em 2009 nas obras de ampliação da Marginal do Tietê. Em determinado momento, o presidente do conselho, Carlos Fortner, diz que o órgão tentou trocar o plantio de mudas "por outras ações", o que não foi aceito pela Prefeitura. Mais de 10% das 4.589 árvores que existiam na Marginal foram removidas na ampliação das pistas.

O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2012 | 03h02

Questionado sobre como foi feito o replantio de mudas na Marginal, Fortner admitiu que muitas delas acabaram morrendo. "Nem todo plantio está concluído ainda, até porque teve plantio que foi executado em época inadequada, então as árvores não vingaram. As árvores que não vingaram estão sendo substituídas. Logicamente que são muitas árvores, estamos falando de dezenas de milhares, centenas de milhares, é muita coisa. Não tem condição de acompanhar com o corpo técnico de fiscalização que a gente tem hoje, não temos condição de ver árvore por árvore."

O que o presidente do Cades diz é observado ao longo dos 24 km da Marginal do Tietê. Para compensar os 228 mil m² impermeabilizados na obra, estava previsto o plantio de 12 mil mudas de figueiras, paineiras, ipês e tipuanas ao longo dos canteiros centrais. Entre a Penha e a Freguesia do Ó, a reportagem constatou que muitas mudas morreram ou secaram depois de surgirem os primeiros galhos.

Outras mudas deveriam ser espalhadas pelos bairros vizinhos da Marginal, como Penha, na zona leste, e Bom Retiro, na região central. A promessa da Dersa era de que 177 mil mudas seriam espalhadas por toda a cidade como compensação. Mas, segundo conselheiros do Cades, ninguém no governo fiscalizou se essas mudas realmente foram plantadas ou viraram árvores. Um dos conselheiros diz que mais da metade das mudas que a Dersa plantou no Tatuapé, por exemplo, morreu e não houve reposição.

A Dersa negou as acusações. Segundo a empresa, plantios foram retomados no mês passado e estarão totalmente concluídos em 2012. Das 83 mil mudas previstas na cidade, 68,5 mil foram plantadas, garante a Dersa.

A empresa afirmou ainda que executa a manutenção mensal por seis meses após o plantio e faz a reposição de todas as mudas que não vingam ou sofrem vandalismo. Das 67 mil árvores previstas para o Parque Ecológico do Tietê, também como compensação, 39 mil mudas já foram plantadas. / R.B. e D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.