Na internet, há quem combine a ceia no saguão

Passageiros lembram caos aéreo durante o Natal de 2007 e alguns tentam mudar o voo da véspera do feriado para hoje e até pensam em ir de ônibus

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2010 | 00h00

Os rumores da greve amanhã já se alastraram pelo País - e quem vai viajar nos próximos dias começa a considerar a opção de passar o Natal no aeroporto ou partir para um plano B: antecipar a passagem, ir de carro ou de ônibus. No Twitter, tem gente combinando ceia natalina com os seguidores que também vão passar pela mesma situação.

A técnica em software Jamile da Rosa Gomes teme passar novamente por um pesadelo que já viveu em 2007. "No caos daquele ano, passei os dias 22, 23 e 24 de dezembro no Aeroporto de Brasília, sem poder ir para o Sul ver minha família", conta.

Jamile, que hoje mora em São Paulo, tem um voo marcado para amanhã, às 18h40, de Congonhas para Joinville. Mais uma vez, vai tentar passar o Natal em casa em meio a uma crise aérea. "Apesar de pagar uma passagem cara o suficiente para viajar no dia e hora que preciso, meu medo é não conseguir chegar a tempo. Será que se fosse de carro não chegaria antes?"

A administradora de empresas Flávia Trevisan, que embarca amanhã para Belo Horizonte, montou uma operação de guerra. Apesar de ter ligado para a companhia aérea e ter sido informada de que o voo sairá normalmente, não está convencida. "Estou com o número da rodoviária na bolsa. Se atrasar no aeroporto, ligo para eles, reservo minha passagem e vou de ônibus", diz.

Acostumada a viajar, Flávia diz que sempre enfrentou problemas com atrasos, "mas nunca algo tão declarado como essa greve". "Minha única dúvida é se compro a passagem de ônibus de uma vez. Não vou ficar perdendo tempo reclamando nem discutindo no aeroporto."

Com a experiência de quem já passou por um atraso de 7h no Natal de 2008, o estudante de Ciências da Computação Sérgio Vinicius Lucena também espera o pior. "Fiz uma reclamação formal que não deu em nada. Para quem mora longe da família como eu, passar Natal sozinho em um aeroporto é assustador", diz ele, que vai de Curitiba para o Rio amanhã. Lucena conta com a companhia do smartphone para não ficar sozinho no meio do caos. "Meu maior entretenimento vai ser o 3G do celular."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.