Epitácio Pessoa/estadão
Epitácio Pessoa/estadão

Na Fuvest, 1 em cada 5 aprovados não se matricula

Levantamento mostra que localização da faculdade ou distância em relação ao município de origem do candidato são principais motivos para desistência

Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2014 | 02h05

Sonho de consumo dos vestibulandos, a Universidade de São Paulo (USP) não é a primeira opção entre todos os aprovados no processo seletivo. Dos convocados ontem pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), que organiza a seleção para a USP, quase um em cada cinco não deve fazer a matrícula, segundo a média dos últimos anos.

Dos aprovados na primeira chamada de 2013, 18,9% não se inscreveram. Na edição anterior, o índice foi mais alto: 21,7%. Com o objetivo de mapear os motivos pelos quais parte dos selecionados desistiu da USP, a universidade aplicou questionários aos candidatos das edições de 2011 e 2012 que foram aprovados, mas não se matricularam.

No estudo, porém, a Fuvest esclarece que a real proporção de desistentes em 2011 foi menor porque também havia candidatos com o ensino médio incompleto e que estavam impedidos de iniciar a graduação. Já a taxa final de aproveitamento das vagas é alta - menos de 2% ficam ociosas após todas as chamadas do vestibular.

O levantamento revelou que, além da qualidade de ensino, aspectos pessoais dos candidatos pesam bastante na escolha da instituição. A localização da faculdade na cidade ou a distância em relação ao município de origem do candidato foram os motivos mais fortes para desistências. Depois, as dúvidas vocacionais surgem como razões expressivas para o não ingresso na USP. Em 2011 e 2012, por exemplo, cerca de 15% dos que se matricularam em outra faculdade em um curso diferente daquele em que foram aprovados na Fuvest alegaram dúvidas na escolha de carreira.

É o caso de Luiza Lameira Carrico, de 16 anos, aprovada em Psicologia na Fuvest, que não pretende estudar no câmpus Butantã. "Também passei em Direito na PUC e percebi que é um curso com mais opções no mercado", conta.

Como a inscrição para o vestibular da PUC foi depois da Fuvest, ela diz que teve mais tempo para pensar. "Estarei em outra ótima universidade", diz.

Prioridade. Josué Batista, de 18 anos, também fez a Fuvest, mas sua prioridade já era o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), por reunir cursos de referência em Engenharias. "Mesmo que aprovado na USP, tento o ITA de novo no próximo vestibular", conta ele, que almeja cursar Engenharia Aeronáutica.

Para o diretor do Cursinho da Poli, Gilberto Alvarez, o Giba, a tendência é que o número de desistentes cresça nos próximos anos. "Com o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o universo de possibilidades do aluno de São Paulo se abriu muito", avalia. Segundo ele, as dificuldades dos jovens ao escolher os cursos também explicam as taxas de não comparecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.