Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Na Cracolândia, 1º dia de ação faz dobrar total de crianças atendidas

Com presença da polícia, centro de convivência recebeu 46 menores de 18 anos. Três aceitaram tratamento

Adriana Ferraz e Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2012 | 22h55

SÃO PAULO - A presença da PM na cracolândia fez mais que dobrar o número de crianças e adolescentes atendidos no centro de convivência Mauá, aberto há dois meses na frente da Praça Júlio Prestes, principal concentração de usuários de crack da capital. Anteontem, primeiro dia da ocupação, 46 menores passaram pelo local - a média anterior era de 18. E três aceitaram tratamento.

"Quando cheguei hoje (ontem), às 7h, já havia três crianças no portão", disse o gerente do espaço, Vladimir Mozini, de 40 anos. Segundo ele, boa parte dos menores procura o local para fugir da polícia. "Aqui eles se sentem mais seguros. Podem comer, tomar banho, trocar de roupa, participar de oficinas de dança e artesanato ou só dormir."

Para a vice-prefeita Alda Marco Antonio (PMDB), responsável pela secretaria e idealizadora do serviço, a ação policial pode tornar o trabalho da assistência social mais eficiente. "Nosso grande desafio é fazer com que esses jovens conheçam nosso espaço e descubram que ele é uma opção melhor que a rua."

Instalado em 1,6 mil m², o centro oferece atendimento psicológico das 8h às 20h, todos os dias da semana. E uma assistente social tenta restabelecer vínculos familiares das crianças ou mesmo convencê-las a seguir para o abrigo mais próximo.

"Nossa expectativa é de inaugurar um novo abrigo em fevereiro. Com os dois equipamentos, passaremos a oferecer atendimento 24 horas na cracolândia. Para nós, qualquer minuto que os jovens passem longe da rua é uma vitória", ressalta Alda.

Complexo. Mas a maior aposta da secretaria tem outro nome: Complexo Prates, um espaço com 11 mil m² de área em construção no Bom Retiro.

Com previsão de ser inaugurado até março, o equipamento reunirá albergue e centro de convivência para adultos, abrigo para crianças e dois postos médicos 24 horas, com atendimento especializado para dependentes de álcool e drogas.

Localizado a 2 km da cracolândia, o complexo terá vans para buscar dependentes. "Vamos colocar peruas à disposição das pessoas e contar com a divulgação boca a boca. Todos os serviços estarão reunidos aqui. Aos poucos, teremos bons resultados", completa Alda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.