FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Na Barra Funda, carnaval tem som de batida eletrônica

Bloco Frita Comigo agitou foliões na Avenida Marquês de São Vicente, mas não conquistou o público de forma unânime. Polícia não registrou ocorrências graves

Marcelo Lima, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2019 | 19h08

SÃO PAULO - Um público prioritariamente jovem , na faixa dos 15 aos 25 anos, compareceu em peso nesta tarde de sábado, 23, na Avenida Marquês de São  Vicente, na Barra Funda, para acompanhar o desfile do bloco Frita Comigo, na inauguração de um dos novos circuitos do carnaval paulistano.

Apesar de terem sido fechadas as Avenida Doutor Abraão Ribeiro até a Praça Luis Carlos Mesquita, o público presente ocupou apenas as duas vias de um quarteirão da avenida, na altura do Fórum Trabalhista  Ruy Barbosa, de onde o trio partiu pontualmente às 16 horas. Em todas as vias de acesso havia revista de bolsas e mochilas, com restrição a entrada de vasilhames de vidro no circuito.

“Viemos porque é um trio de música eletrônica, que adoramos”, afirmou a estudante de economia Nicole Massola, de Osasco, que compareceu à festa acompanhada do colega Daniel Pessoto. “Espero ver mais trios como este neste carnaval”, completou ela que diz ter encontrado pessoas de todas as regiões da cidade na festa e elogiou a organização do evento, o clima sem brigas e a facilidade de acesso aos banheiros químicos, “ Quem gosta de música eletrônica, como nós, vem de qualquer lugar”.

Menos sorte porém teve a enfermeira Débora de Oliveira que veio para a Marquês com 3 amigos de Embu mas não encontrou o que procurava. "O que é isso? Quero carnaval, carnaval. Claudia Leite, axé. Vamos embora daqui  pra Faria Lima", afirmou ela, convocando sua turma.

A PM afirmou que das 10h da manhã quando o circuito foi aberto até às 18 hs de hoje nenhuma ocorrência grave foi verificada excetuando casos de consumo exagerado de álcool. "Até agora atendemos cerca de 15 casos do tipo o que pode ser considerada uma média até baixa” informou a médica Suelllen Pães De Oliveira, responsável pelo posto médico local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.