Na Argentina, prefeito caiu

Os 194 mortos no incêndio da discoteca República Cromañón, em 30 de dezembro de 2004 em Buenos Aires, custaram a carreira política de Aníbal Ibarra, prefeito da capital da Argentina na época. Ibarra não esteve no local da tragédia, não compareceu a nenhum enterro e demorou semanas para atender parentes das vítimas. A partir daí, entrou em acelerado declínio político. Em 2006, acusado de omissão, foi alvo de processo de impeachment e removido do posto.

O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2013 | 02h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.