Na África, avião caiu por causa de crocodilo

Apesar de as versões mais novas da aeronave L-410 - como era o UPV E-20 da Noar que caiu ontem - serem consideradas mais modernas e seguras, o modelo é um velho conhecido pelos acidentes aéreos. De 1977 até ontem, foram 90 acidentes com L-410, que causaram 406 mortes em todo o mundo. De todos os aviões fabricados pela Let Aircrafts, 10% já registraram acidentes ou incidentes.

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2011 | 00h00

Até crocodilo já derrubou o avião. Em agosto, um passageiro no Congo levava o crocodilo escondido dentro de sua bagagem de mão. O animal escapou e causou pânico entre passageiros e no piloto, que perdeu o controle da aeronave e caiu. Apenas uma das 20 pessoas a bordo sobreviveu.

O mesmo modelo de aeronave que caiu ontem já esteve envolvido em outro acidente fatal no Brasil. Um L-410 da Team Linhas Aéreas, que decolou do Rio de Janeiro com destino a Macaé, caiu após se chocar com um morro em Boa Esperança, na região metropolitana, matando os 19 ocupantes. O acidente aconteceu em abril de 2006. Um ano e meio depois, a investigação do Cenipa concluiu que "decisões inadequadas", "excesso de autoconfiança" dos pilotos e a "cultura organizacional da empresa" provocaram o acidente. Não houve pane da aeronave.

Confiável. Especialista em L-410, o designer de aeronaves checo Michael Orlita, de 37 anos, disse ao Estado que a maioria dos acidentes com o modelo é causada por inoperância da tripulação. "Esse tipo de avião voa bastante na África, onde existe pouca fiscalização, tanto em relação à segurança de voo como em relação às licenças dos pilotos", disse. "Mas a aeronave é muito confiável."

Diretor de segurança operacional da Team Linhas Aéreas - que conta com três L-410 e faz voos regionais no Rio -, o comandante Ronald Fleming diz que as aeronaves compradas pela Noar no ano passado são de última geração. "O índice de manutenção não programada dessas aeronaves é baixíssimo."

Estatísticas

4

companhias operam com L-410 no Brasil: NHT e Sol Linhas Aéreas (Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina), Team (Rio) e a Noar (Nordeste)

16

pessoas já morreram em dois acidentes com o mesmo tipo de aeronave neste ano - um em Honduras e outro na África. Os dois aconteceram em 14 de fevereiro

77

acidentes, com vários tipos de aeronaves, foram registrados na aviação civil brasileira de janeiro a julho deste ano, com 41 mortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.