Nº de mortos pela PM sobe 17% no primeiro trimestre do ano

Em 2015, 185 pessoas morreram, ante 157 em 2014. Moraes nega que polícia esteja matando: ‘Ela está trabalhando’

Bruno Ribeiro, Diego Zanchetta e Juliana Ravelli, O Estado de S. Paulo

24 Abril 2015 | 23h19

A Polícia Militar de São Paulo foi responsável por 185 mortes nos primeiros três meses deste ano. Ou seja: 14% das pessoas mortas em São Paulo perderam a vida em decorrência de ações policiais. O dado representa aumento de 17% em relação às 157 mortes praticadas por policiais no primeiro trimestre de 2014 - que já tinha sido o mais violento da história da PM desde o ano de 1992, quando aconteceu o Massacre do Carandiru.

Os dados divulgados nesta sexta-feira, 24, mostram que, além de matar mais, a Polícia Militar tem deixado menos suspeitos feridos. Nos três primeiros meses de 2015, 105 pessoas se feriram em confrontos com a PM. No primeiro trimestre de 2014, 142 suspeitos haviam ficado feridos em supostos tiroteios e puderam ser presos e julgados. 

As estatísticas divulgadas nesta sexta mantiveram uma informação incorreta que a Secretaria de Estado da Segurança Pública vem mantendo. De maneira inverídica, informa que não há registros de mortes praticadas por policias militares de folga no Estado. No ano passado, embora os dados também mostravam essa mesma informação, 255 pessoas haviam sido mortas por policiais militares de folga, conforme o Estado publicou há cerca de um mês. A secretaria argumenta que os números são publicados no Diário Oficial do Estado. 

‘PM está trabalhando’. O secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, avaliou o aumento das mortes: “A PM não está matando. Ela está trabalhando. A letalidade deve ser comparada de forma anual”. Moraes citou o aumento da “belicosidade da criminalidade” para justificar a disparada. “A troca de tiros acaba gerando mortes de um lado e de outro. E houve aumento de 64% nos confrontos. Obviamente a polícia não vai se acovardar diante da agressividade dos criminosos”, disse.

O número de mortes de policiais militares no período, entretanto, não permite chegar às conclusões apresentadas pelo secretário. Houve estabilidade do número de PMs vítimas de bandidos em confrontos. Entre janeiro e março deste ano, quatro agentes foram assassinados (dois na capital, um na Grande São Paulo e um no interior). No mesmo período de 2014, foram três mortes. 

Na região da Baixada Santista, por exemplo, nenhum PM foi morto em confronto no primeiro trimestre deste ano nem no mesmo período do ano passado. Mas lá, as mortes praticadas por policiais cresceram de 3 para 19 casos. Já as mortes praticadas por policiais civis tiveram oscilação de 6 casos, no primeiro trimestre de 2014, para 9 neste ano. Um policial civil morreu em serviço - igual ao primeiro trimestre de 2014.

Mais conteúdo sobre:
Polícia Militar violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.