Músicos e famosos lamentam a morte de Champignon pelo Twitter

Músicos e famosos lamentam a morte de Champignon pelo Twitter

Ex-baixista da extinta banda Charlie Brown Jr., Luiz Carlos Leão Duarte, de 35 anos, foi encontrado morto em seu apartamento na madrugada desta segunda-feira, no Morumbi

O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2013 | 09h41

SÃO PAULO - A morte do ex-baixista da extinta banda Charlie Brown Jr., Luiz Carlos Leão Duarte, o Champignon, na madrugada desta segunda-feira, 9, causou comoção entre artistas e famosos no Twitter. Personalidades lamentaram a perda de mais um integrante do antigo grupo, famoso principalmente entre os mais jovens. O vocalista, Chorão, foi encontrado morto em seu apartamento há seis meses, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

"Tristeza não tem fim. Dessa vez foi-se o Champignon, baixista talentosíssimo do Charlie Brown Jr. RIP Mais uma baixa no Pantheon do RockBR", disse o cantor Ritchie em seu perfil. O cantor Junior Lima, que conhecia Champignon pessoalmente, se manifestou pela rede social ainda de madrugada. "Acordei agora c a noticia do champ!!! To em choque!!!!! Perdi mais um irmão!!!!!!!! Não to conseguindo acreditar!!!!", disse.

Diversos fãs também se deixaram seus recados nas redes sociais, demonstrando surpresa pela morte repentina do baixista. "Chocada! Como se não bastasse o Chorão, agora tem o Champignon pra dizermos adeus! Que tristeza!", escreveu Andréia Pontes, também no Twitter.

O corpo de Champignon, de 35 anos, foi achado em sua residência no bairro do Morumbi, na zona sul da capital paulista. Vizinhos do baixista chamaram a polícia assim que ouviram um disparo por volta de 0h30. Quando chegaram ao apartamento de Champignon, a PM e o Samu encontraram o músico morto com um tiro na boca. O caso foi registrado no 89º DP (Portal do Morumbi). 

Com o fim da banda Charlie Brown Jr., Champignon havia dado início a um novo projeto e vinha atuando como vocalista da banda "A Banca".

Mais conteúdo sobre:
champignoncharlie Brown

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.